«O efeito combinado destes dois fenómenos significa que o número de pessoas com 60 ou mais anos que vivem nas cidades poderá crescer para mais de 900 milhões até 2050, o que representa um quarto da população urbana total nos países em desenvolvimento», aponta a ONU.