"Alguma vez, há quatro anos, eu pensava que o BES e a PT eram um investimento de risco?" A pergunta, de um reformado de 73 anos, a quem um gestor de conta do BES convenceu, em 2012, a investir 50 mil euros em obrigações da PT, espelha o sentimento de incerteza partilhado com outros pequenos aforradores portugueses que se viram confrontados, na segunda-feira à noite, com o pedido de recuperação judicial apresentado pela Oi, a empresa de telecomunicações brasileira que é hoje a titular desta dívida. A única certeza, para já, é que o reembolso não acontecerá no dia 26 de Julho, como estava previsto.