Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

O atentado ainda não foi reivindicado, mas o grupo 'jihadista' Estado Islâmico (EI) tem sido responsável por diversos atentados bombistas ocorridos na capital do Iraque. As fontes contactadas pela agência noticiosa Associated Press (AP) exprimiram-se sob anonimato, porque não estão autorizadas a fornecer informações.

As forças iraquianas estão envolvidas desde outubro numa ofensiva contra o grupo islamita radical em Mossul, a segunda cidade do país. Em janeiro, o governo de Bagdad declarou a zona leste de Mossul "totalmente libertada" e permanece envolvida em combates no oeste da cidade, mais densamente povoada.

As tropas iraquianas, apoiadas por forças especiais norte-americanas, estão perto da cidade velha de Mossul, onde se espera que ocorram os combates mais violentos.

A Polícia federal militarizada disse que se encontrava, a cerca de 500 metros da mesquita al-Nuri, onde o líder do EI, Abu Bakr al-Baghdadi, protagonizou uma rara aparição pública em julho de 2014 para anunciar um autoproclamado califado no Iraque e na Síria.

O grupo rebelde sunita tem registado uma série de derrotas no terreno desde meados de 2015, mas continua a desencadear ataques regulares em Bagdad e arredores.

Uma série de ataques bombistas atingiram a capital iraquiana desde o início da operação militar para retomar Mossul, num regresso do grupo às suas "raízes insurgentes" à medida que vai perdendo território.

PCR // EL

Lusa/Fim