Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

No recurso que já deu entrada naquele tribunal superior e a que a Lusa teve hoje acesso, o advogado do casal, Leonardo Azevedo, defende que o Tribunal da Relação do Porto deveria ter mantido as penas aplicadas na primeira instância e não agravá-las.

"Analisada toda a matéria de facto, concordamos que, não pode deixar de se considerar elevada a ilicitude dos factos, bem como será a afirmação óbvia de que agiu com dolo. Só que as penas ora aplicadas continuam a configurar-se como excessivas e desproporcionadas, tendo em conta todos os factos dados como assentes", lê-se no recurso.

O homem foi condenado inicialmente a sete anos e nove meses de cadeia, em cúmulo jurídico, por um crime de escravidão e outro de falsas declarações, enquanto a sua companheira foi punida com sete anos e meio, por um crime de escravidão.

Considerando a decisão "extraordinariamente branda", o Ministério Público recorreu para a Relação do Porto que agravou as penas aplicadas pelo Tribunal da Feira para nove anos e nove meses de cadeia, para ele, e nove anos e meio, para ela.

Os arguidos, que atualmente estão a ser julgados num outro processo no Tribunal da Feira por maus tratos aos filhos, foram ainda condenados ao pagamento de uma indemnização de 75 mil euros à rapariga que foi vítima de escravidão.

A menor, natural da Roménia, foi trazida para Portugal pelo elemento masculino do casal, quando tinha 12 anos, tendo desde essa altura e até dezembro de 2014, sido forçada a praticar relações sexuais com um filho dos arguidos.

A menina tinha ainda a seu cargo toda a lide doméstica da casa, incluindo zelar pelos cuidados de cinco filhos menores dos acusados, para além de ser obrigada por estes a mendigar e a praticar furtos em alguns estabelecimentos comerciais, sendo agredida quando não cumpria as ordens.

Aos 16 anos, a menor deu à luz uma criança fruto da relação não consentida com o filho do casal, tendo os pais deste conseguido que o recém-nascido fosse entregue para adoção, contra a vontade e consentimento da progenitora.

Em dezembro de 2014, a rapariga foi resgatada pela GNR, tendo nessa altura contado às autoridades que tinha sido entregue pela mãe ao casal a troco de mil euros, depois de ter regressado da Irlanda, onde tinha vivido uma situação similar.