Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Um novo balanço sobre o número de vítimas de um deslizamento de terras num aterro na Etiópia, situado num local chamado de Koshe Garbage Landfill, na cidade de Adis Abeba, aponta para 72 vítimas mortais, escreve a Aljazeera. O governo decretou três dias de luto nacional esta terça-feira.

O deslizamento de terras soterrou várias casas improvisadas e edifícios de cimento. O aterro - o maior da Etiópia - tem sido um depósito para o lixo da capital desde há mais de 50 anos, com uma interrupção nos últimos anos.

De acordo com testemunhas, parte da montanha de lixo de Koshe desprendeu-se subitamente no sábado à noite.

O deslizamento, segundo os moradores, ocorreu por causa das obras para aplanar o cume do monte de resíduos. As obras aumentaram a pressão na colina, provocando a avalanche de lixo, escreve a AFP.

A maioria das vítimas eram pessoas que, no momento do deslizamento de terras, procuravam no lixo objetos para vender, explicou no domingo, 12 de março, Dagmawit Moges, porta-voz  da cidade de Adis Abeba, onde habitam 4 milhões de pessoas.