Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

"Se tivéssemos uma porta de entrada com aquilo que é a força do aeroporto - sabemos que mais de 60% do fluxo internacional turístico é feito pela via do aeroporto - teríamos aqui um ‘upgrade' fortíssimo", afirmou à agência Lusa Pedro Machado, à margem do 5.º Workshop Internacional de Turismo Religioso, que decorre até sexta-feira em Fátima.

Durante a sessão de abertura do seminário, o presidente da Turismo Centro defendeu que o país tem de olhar para a região Centro e para Fátima quando se definem os grandes investimentos públicos nas áreas da acessibilidade e mobilidade.

"A mobilidade e a acessibilidade são um fator crítico para o turismo", realçou à Lusa Pedro Machado, considerando que, nos últimos anos, assiste-se a uma canalização do grande investimento público "para as duas áreas metropolitanas".

Também na discussão da criação de um novo aeroporto, a opção recai "mais uma vez na grande área metropolitana de Lisboa e isso, de alguma forma, descapitaliza esta grande região que é a região Centro".

"Temos bons argumentos: território, produto, fenómenos como o turismo religioso que é decisivo no caso de Fátima para a própria marca de Portugal", constatou.

Nesse sentido, "a construção de uma acessibilidade aérea poderia resolver uma parte significativa desse problema - de alguma assimetria que existe hoje entre a região Centro e as áreas metropolitanas".

"Da mesma forma que Fátima acrescenta notoriedade à marca de Portugal, também acredito que Portugal deveria olhar para a marca Fátima, inscrita na região Centro, como capacidade para produzir novos investimentos", vincou.

Pedro Machado recordou ainda que, para além de um aeroporto civil no Centro, seria necessário também outros grandes investimentos na região, como é o caso da requalificação da linha da Beira Alta ou da eletrificação da linha do Oeste.

Em fevereiro, o presidente da Turismo do Centro já tinha pedido que não fosse tomada "uma decisão precipitada" sobre o novo aeroporto no Montijo e apresentou como alternativa a adaptação para voos comerciais da Base Aérea de Monte Real, Leiria.