Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Brown entrou no debate sobre o futuro da região, falando na Escócia, e defendeu que a saída do Reino Unido da União Europeia (‘Brexit’) enfraquece a posição da Escócia pela independência, em vez de a fortalecer.

O antigo chefe do Governo britânico considerou que a Escócia deve ter a possibilidade de definir alguns impostos, assinar tratados internacionais, e ter maior controlo sobre a agricultura, pescas, regulações ambientais, emprego e energia, após o Reino Unido abandonar a UE.

Esta opção seria melhor do que sair do Reino Unido, como pretende a chefe do Governo escocês, Nicola Surgeon, ou permanecer nas condições atuais, sustentou.

“Eu penso que ficará claro, nos próximos meses, que a terceira opção, em que a Escócia tem mais poder, como parte de um acordo federal com o Reino Unido, será a melhor opção”, disse.

Sturgeon admite realizar outro referendo sobre a independência no final de 2018 ou início de 2019, quando as negociações para o ‘Brexit’ estiverem praticamente concluídas.

Esta posição colocou a líder escocesa em rota de colisão com a primeira-ministra britânica, Theresa May, que considerou que o ‘timing’ é inaceitável. A Escócia precisa da aprovação de Londres para realizar um referendo vinculativo.

Sturgeon afirmou hoje ao seu partido, o Partido Nacional Escocês, que não irá abandonar a intenção de influenciar o parlamento escocês para receber autorização para realizar o referendo, com o debate a iniciar-se, como se espera, na próxima semana.

A chefe do executivo escocês admitiu ser flexível quanto aos prazos, “dentro do razoável”, mas afirmou que a posição do parlamento escocês tem de ser respeitada pelas autoridades britânicas.

A maioria dos eleitores escoceses votou a favor da permanência no grupo dos 28, no referendo em junho do ano passado, que ditou o ‘Brexit’.

A rainha Isabel II, chefe de Estado britânica, promulgou esta semana a lei do ‘Brexit’, que autoriza o Governo a comunicar a Bruxelas a ativação da saída do Reino Unido da União Europeia, o que deverá acontecer até ao final deste mês.