Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

As chamas deflagraram na fábrica da empresa J. Nunes e Filhos Lda., na freguesia de S. Paio de Oleiros, concelho de Santa Maria da Feira, de onde partiu o alerta para os bombeiros, às 18:46.

A unidade possuia quatro armazéns de resíduos de papel e cartão, com três deles a serem "tomados totalmente" pelo fogo, indicou José Carlos Pinto, comandante dos Bombeiros Voluntários de Lourosa, acrescentando que a estratégia, agora, é "baixar a intensidade" das chamas.

Os bombeiros não podem entrar no recinto da fábrica devido às altas temperaturas, frisou, em declarações aos jornalistas no local.

José Carlos Pinto assegurou que os meios de combate "são suficientes", mas alguns terão de ser rendidos, "face ao número de horas" de trabalho pela frente.

O incêndio está a ser combatido por 135 bombeiros, apoiados por 45 viaturas.

Alguns funcionários conseguiram retirar computadores e outro material a tempo. O dono da fábrica, abordado pela Lusa, não quis prestar declarações.

Populares que acorreram às imediações da fábrica tiveram de ser afastados do local pela GNR.

Uma moradora, Maria de Lurdes Brandão, disse que nunca houve na zona um incêndio destas proporções.

"Tenho a idade que tenho, nunca vi nada assim ao pé da porta", afirmou à Lusa.

[Notícia atualizada às 22:59]