Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

É “uma mentira descarada, nunca reconheci o que quer que fosse perante investigadores, aliás nunca os vi”, afirmou a uma rádio a eurodeputada e presidente do partido Frente Nacional.

Segundo o relatório do organismo antifraude da União Europeia (OLAF), citado na quinta-feira pelo ‘site’ noticioso Mediapart e pela revista Marianne, Le Pen reconheceu ter empregado ficticiamente como assistente parlamentar o seu guarda-costas Thierry Légier, para “regularizar salários e despesas”.

Le Pen “reconheceu, por um lado, que as folhas de salário elaboradas para o período de outubro a dezembro de 2011″ indicavam um “valor de 41.554 euros” que “nunca foi pago ao beneficiário indicado, Thierry Légier” e, “por outro lado, que ela nunca tinha empregado Légier durante aqueles três meses”, de acordo com os extratos divulgados.

Interrogada sobre o relatório, a candidata explicou que houve “um ajuste entre o Parlamento Europeu e o pagamento de terceiros neste caso”, mas “absolutamente nada de fictício”.

“Tenho todas as provas que darei quando necessário, já as enviei ao OLAF”, adiantou.

Questionado na quinta-feira pela agência France Presse, o gabinete de imprensa do OLAF indicou que “a investigação revelou que a deputada realizou um contrato de trabalho puramente fictício com um dos seus assistentes”.

Concluído em julho de 2016, o relatório foi entregue ao presidente do Parlamento Europeu. A assembleia tomou conhecimento e os serviços começaram a reter uma parte do salário da eurodeputada para recuperar o dinheiro.

As autoridades francesas também estão a investigar o caso. O inquérito está relacionado com suspeitas de que membros da Frente Nacional enganaram o Parlamento Europeu em várias centenas de milhares de euros utilizando assistentes parlamentares europeus nas atividades políticas do partido.