Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Em resposta aos jornalistas, no final de um seminário sobre incêndios, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa disse ter ficado "mais confortado" com a posição que lhe foi transmitida pelo reitor da Universidade Nova de Lisboa, António Rendas, quanto à liberdade de expressão.

"O reitor da Universidade Nova de Lisboa garantiu-me que também considera ser um valor fundamental. Portanto, eu espero que seja uma lição para o futuro e que não haja equívocos como este e situações absurdas como esta", declarou o chefe de Estado.

Questionado sobre a notícia divulgada na quinta-feira pelo jornal Público de que a Cáritas Diocesana de Lisboa tem, pelo menos há 10 anos, mais de dois milhões de euros em depósitos bancários, aos quais acrescem cerca de 320 mil euros investidos em obrigações, o Presidente da República alegou não estar suficientemente informado para comentar o tema.

"Não conheço o assunto suficientemente para me poder pronunciar", respondeu aos jornalistas.

Na quarta-feira, o Presidente da República pediu um esclarecimento sobre o cancelamento da conferência do politólogo Jaime Nogueira Pinto pela FCSH, considerando que "é incompreensível uma decisão daquelas por parte de uma instituição pública".

Hoje, Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar a forma como este assunto foi debatido e tratado na Assembleia da República: "Eu não vou comentar o parlamento, eu disse a minha posição, a posição é clara".

"É incompreensível e absurdo haver qualquer tipo de iniciativa por parte de uma instituição - que é autónoma, de facto, não depende do Governo nem depende do Estado, mas é pública - que questione aquilo que é um dos valores fundamentais da Constituição, que é a liberdade de expressão de pensamento", reiterou.

O Presidente da República salientou que, entretanto, o reitor da Universidade Nova de Lisboa o informou "acerca do sucedido" e assegurou "que tudo seria feito para precisamente assegurar a liberdade de expressão como um valor fundamental" naquela entidade pública.

"Portanto, eu naturalmente fiquei mais confortado pelo facto de saber que a Universidade Nova de Lisboa tinha a noção exata de que há valores nos quais não se toca", acrescentou.

[Notícia atualizada às 18h31]