Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

“Considero que este resultado é o início da conquista da chancelaria”, declarou Schulz, candidato a chanceler nas legislativas de 24 de setembro, depois de anunciado o resultado da votação.

A eleição por unanimidade não tem precedente na história do SPD do pós-guerra.

Schulz sucede na liderança a Sigmar Gabriel, atual vice-chanceler e ministro dos Negócios Estrangeiros do Governo de coligação liderado por Angela Merkel.

Martin Schulz, 61 anos, foi designado no final de janeiro candidato do SPD e, desde e então, o partido tem ganhado popularidade nas sondagens, movimento designado por alguns ‘media’ como o “efeito Schulz”.

Uma sondagem publicada hoje pelo Bild am Sonntag atribui ao SPD 32% das intenções de voto nas legislativas, apenas um ponto percentual abaixo da União Democrata-Cristã (CDU) de Merkel.

Analistas consideram que Schulz beneficia de ser um recém-chegado à política interna alemã quando comparado com Merkel, que em setembro se candidata a um quarto mandato.