Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

“Já foi autorizada a disponibilização de 3,5 milhões de doses que vão ser destinadas a áreas prioritárias. As doses serão transportadas por via aérea de França” para o Rio de Janeiro, indicou o Ministério da Saúde num comunicado enviado na sexta-feira.

As doses foram pedidas ao Grupo de Coordenação Internacional para Fornecimento de Vacinas, integrado pela OMS, Cruz Vermelha, Médicos Sem Fronteiras e Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

Outras 8,46 milhões de vacinas produzidas pela Fundação Oswaldo Cruz, o maior centro de investigação médica da América Latina, serão distribuídas nas zonas mais afetadas pela febre-amarela.

A chegada da febre-amarela ao Rio de Janeiro foi confirmada esta semana com a primeira morte causada pelo vírus, com mais 36 casos suspeitos, depois de se ter propagado rapidamente pelos estados vizinhos: Minas Gerais, São Paulo e Espírito Santo, todos na região sudeste do país.

Segundo o último relatório do Ministério da Saúde, foram registadas nos últimos meses 137 mortes por febre-amarela em 80 municípios, além de 424 casos confirmados.

Os estados mais afetados são Minas Gerais, com 325 casos confirmados (75% do total), Espírito Santo (93) e São Paulo (4).