Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

O comunicado dos advogados João Araújo e Pedro Delille surge após a publicação pelas revistas Sábado e Visão do teor dos interrogatórios ao ex-presidente do BES e do empresário luso-angolano, sobre a transferência de dinheiro do Grupo Espírito Santo (GES), que o Ministério Público (MP) entende ter como último destinatário José Sócrates através do empresário e seu amigo Carlos Santos Silva.

“Estes novos depoimentos esclarecedores apenas vêm confirmar que nenhuma ligação do engenheiro José Sócrates aos tantos milhões noticiados existe, que a tese de uma fortuna escondida está desmentida nos autos e que a alegada proximidade com as pessoas interrogadas, aliás desmentida por ambos, é pura e simplesmente uma ficção”, refere a defesa.

Nesta reação à publicação dos interrogatórios, em que a revista Sábado titula “Interrogatórios fatais: tudo o que Salgado e Bataglia revelaram sobre os milhões de Sócrates” e a Visão escreve ” Salgado conta tudo, revelações inéditas no interrogatório judicial”, João Araújo e Pedro Delille acusam o MP de dar a alguns jornalistas elementos dos autos que recusam entregar aos advogados de defesa.

Segundo a defesa de Sócrates, com a divulgação de elementos dos interrogatórios, a intenção do MP é “acrescentar novas complexidades às desculpas do costume para, depois de violados todos os prazos, legais e judiciais, manter aberto um inquérito que, há muito, devia estar encerrado e arquivado”.

A Sábado escreve que Helder Bataglia revelou, no interrogatório do MP, que Ricardo Salgado lhe pediu para utilizar as suas contas para fazer chegar discretamente dinheiro a Carlos Santos Silva, amigo de longa data de Sócrates e arguido no mesmo processo.

Confrontado com o depoimento de Bataglia, Ricardo Salgado negou tudo, disse que mal conhecia Carlos Santos Silva e que nunca foi íntimo de Sócrates, adianta a revista.

A Visão escreve que Ricardo Salgado teve de explicar ao MP porque foi “desviado” dinheiro do GES para uma ‘offshore’ em seu nome; porque deu milhões de euros aos arguidos Zeinal Bava e Henrique Granadeiro e ainda porque 1,2 milhões de euros acabaram nas mãos de Dirceu, ex-braço direito de Lula da Silva”, ex-Presidente do Brasil.

A ‘Operação Marquês’ conta atualmente com 23 arguidos, incluindo o ex-ministro socialista Armando Vara, a ex-mulher de Sócrates, Sofia Fava, Joaquim Barroca, do grupo Lena, o ex-responsável da farmacêutica Octapharma Lalanda e Castro e Diogo Gaspar Ferreira, responsável da empresa gestora do empreendimento Vale do Lobo (Algarve).

José Sócrates, que esteve preso preventivamente mais de nove meses, está indiciado por fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais e corrupção passiva para ato ilícito.

Dois anos após o início do inquérito, que a 20 de novembro de 2014 fez as primeiras detenções, a investigação do MP continua sem que exista acusação ou arquivamento, estando prevista uma decisão para 17 de março.