Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

“A investigação visa três empresas de transportes belgas, que recorrerão aos serviços de uma organização criminosa a operar em Portugal e na Eslováquia, cuja atividade consiste em contornar as leis da Segurança Social. Estas empresas belgas são suspeitas de terem cometido fraudes à Segurança Social belga em montante próximo dos sete milhões de euros”, refere uma nota enviada pela PJ à agência Lusa.

A PJ, através da Unidade Nacional de Combate à Corrupção e no âmbito de carta rogatória que corre termos no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), integra uma equipa de investigação conjunta internacional, denominada de “Operação Octopus”, com autoridades policiais francesas, belgas e eslovacas.

“No âmbito desta operação, a Polícia Judiciária Federal da Flandres Oriental, com a colaboração dos serviços de inspeção social, realizou 12 buscas em Bruxelas, Malines, Wavre-Sainte-Catherine, Hamme e Pervijse”, acrescenta a PJ.

No decorrer destas buscas realizadas noutros países, segundo a nota, foram detidas duas pessoas e apresentadas cinco para interrogatório judicial, além de as autoridades belgas terem apreendido dez viaturas.