Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Questionado pelos jornalistas à margem de uma visita à Bolsa de Turismo de Lisboa, Passos Coelho sublinhou que se vivem "tempos de alguma apreensão" na União Europeia, com "a emergência de populismos e xenofobia que não estão no coração do projeto europeu".

"O facto de ter havido uma confirmação eleitoral dos holandeses por forças políticas que se identificam com os valores do projeto europeu, de tolerância, de abertura não apenas económica, mas também social, cultural e política, é tranquilizador", referiu.

O líder do PSD disse agora esperar que a Holanda possa vir a ter um Governo estável, já que os resultados obrigam a conversações entre os vários partidos.

"Espero que esse trabalho seja bem sucedido, que possamos ter na Holanda um Governo que seja, como o anterior, absolutamente pró-europeu e muito ligado aos valores da União Europeia, em que me revejo e creio que a grande maioria dos portugueses", disse.

As eleições de quarta-feira ditaram a vitória dos liberais do VVD, do primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, com 33 deputados, enquanto o Partido da Liberdade (PVV), de Geert Wilders - extrema direita -, ficou na segunda posição, com 20 deputados (13% dos votos), quando nas últimas eleições tinha conquistado 15 assentos parlamentares.

Os liberais do VVD foram a formação mais votada (21% dos votos) e o seu líder, Mark Rutte, terá prioridade para tentar formar Governo, embora tenha perdido oito deputados face às eleições de 2012.

Rutte poderá procurar coligar-se com os democratas cristãos do CDA ou os liberais progressistas do D66, partidos que ficaram empatados em terceiro lugar, com 19 deputados cada, uma subida de seis e sete assentos, respetivamente.

No quinto lugar ficaram o SP (Partido Socialista, à esquerda do trabalhista), que perde um deputado e fica com 14, e os Verdes da Esquerda, o partido que mais subiu nestas eleições, passando de quatro para 14 deputados, segundo a agência EFE.

Os sociais-democratas do PvdA (Partido do Trabalho), que nos últimos quatro anos governaram em coligação com o VVD, sofreram uma derrota histórica e passam de 38 para nove deputados.

O Partido dos Animais passa de dois para cinco deputados, empatando com os Cristãos Unidos, que obtiveram o mesmo resultado das últimas eleições.