Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

De acordo com os dados do gabinete oficial de estatísticas da UE, os sírios foram, no acumulado de 2016, quem mais primeiros pedidos de asilo apresentou (334.820), seguindo-se os afegãos (182.985) e os iraquianos (126.955), sendo que estas três nacionalidades representam mais de metade dos pedidos apresentados nos 28 Estados-membros.

A Alemanha foi o país mais solicitado para a concessão de asilo, com 722.265 novos pedidos em 2016, uma subida de 63% face ao ano anterior, representando 60% do total da UE.

A Itália foi o segundo país da UE com mais pedidos apresentados pela primeira vez no ano passado, num total de 121.185, mais 46% do que em 2015 (83.245) e a França o terceiro: 75.990, mais 8% do que em 2015 (70.570).

A Croácia foi o país em que o número de pedidos mais aumentou de 2015 (140) para 2016 (2.150), numa subida de 1413%, seguindo-se a Grécia: um crescimento 339% de 2015 (11.370) para 2016 (49.875).

No extremo oposto, a Suécia registou a maior quebra nos pedidos de asilo, de 156.110 em 2015 para os 22.330 em 2016 (-86%), seguindo-se a Hungria e a Finlândia, ambas com -84%, de 174.435 para 28.215 e de 32.150 para 5.275, respetivamente.

Em Portugal, foram apresentados em 2016 um total de 710 primeiros pedidos de asilo, uma quebra de 18% face ao ano anterior (870).

A maioria dos pedidos em Portugal (140,20% do total) foi apresentada por ucranianos, seguindo-se cidadãos congoleses (50,7%) e da Guiné Conacri (50,7%).