Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

De acordo com informação do gabinete do ministro-adjunto, Eduardo Cabrita, esta aplicação para telemóvel, disponível na App Store e na Google Play, tem toda a informação sobre serviços de apoio às vítimas de violência doméstica e de género.

“Vai facilitar o acesso de qualquer cidadão e cidadã aos contactos das entidades que integram a rede nacional de apoio a vítimas de violência doméstica, mas também o trabalho de profissionais que acompanham e encaminham estes casos”, lê-se na informação enviada à agência Lusa.

Através da aplicação, é possível ficar a conhecer que serviços estão disponíveis e próximos, por exemplo, pesquisando por concelho, bem como os contactos necessários para fazer uma denúncia ou pedir uma informação ou quais as entidades que podem dar aconselhamento jurídico ou psicológico.

Com esta aplicação é também possível fazer uma chamada ou enviar uma mensagem eletrónica, nomeadamente em caso de a vítima, por exemplo, precisar de ajuda.

A aplicação é gratuita e fácil de usar. Depois de descarregar para o telemóvel, escolhe-se o distrito e a resposta que se procura entre as várias categorias: Estruturas de Apoio à Vítima, Forças de Segurança, Câmaras Municipais, Intervenção com Agressores, Justiça, Proteção de Crianças e Jovens, Saúde ou Serviços locais de Segurança Social.

“Tendo em conta que os casos de violência doméstica requerem uma intervenção célere e proporcional ao risco identificado, os resultados das pesquisas efetuadas obedecem ao critério da proximidade territorial”, lê-se na informação do Governo.

A aplicação é uma medida Simplex +, desenvolvida pela Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género.