Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

O sorteio para os quartos-de-final da Liga dos Campeões que se realizou esta sexta-feira em Nyon, na Suíça, ditou três grandes reencontros e uma grande estreia. O prato principal é o Real Madrid-Bayern Munique, mas o confronto que opõe a Juventus aos catalães do Barcelona promete ser quente.

Os românticos do desporto-rei vão estar de olho no Atlético Madrid-Leicester, ora para ver se o sonho dos campeões ingleses em título continua, ora para ver se os colchoneros conseguem desta vez ‘pôr o nariz’ entre os habituais vencedores e afirmar-se como um dos gigantes europeus.

Já do Borussia Dortmund-Mónaco espera-se um dos jogos mais energéticos de sempre, com duas equipas em posições distintas na época futebolística. De um lado, uma equipa francesa em todas as frentes, com possibilidades de fazer a melhor época da sua história; do outro, um emblema que, depois de eliminar o SL Benfica, aposta todas as fichas na competição milionária.

Juventus vs FC Barcelona: Vingança também se pode escrever com J?

A história conta com três eliminatórias e uma final em competições da UEFA disputadas entre a pentacampeã italiana e o campeão espanhol. Os catalães levaram a melhor em três ocasiões, sendo que a mais viva na memória é a final da Liga dos Campeões de 2014/15, em Berlim.

Em terras germânicas, os italianos procuravam regressar à glória europeia que tantas vezes lhes tem fugido. E que voltaria a fugir. Com um golo de Rakitic, o Barcelona colocou-se cedo na frente do marcador. E embora Álvaro Morata tenha conseguido estabelecer a igualdade aos 55 minutos, Suaréz, aos 68, e Neymar aos 90+7 sentenciaram a final.

Dois anos depois, são duas equipas diferentes que aqui se encontram. Uma Juventus cada vez mais gigante, competitiva e próxima dos anos 80 e 90, em que venceram as suas duas únicas Ligas dos Campeões. Do outro lado, um Barcelona "tremido", que numa semana consegue fazer uma reviravolta histórica numa eliminatória em que estava em desvantagem por 4 golos e, dias depois, a perde no campeonato frente a uma equipa de meio da tabela, deixando fugir a liderança da liga espanhola.

São duas equipas gigantes, é certo, mas a viver momentos em pólos opostos. Será o melhor momento para os italianos se vingarem da final de Berlim e começarem a escrever a sua glória europeia neste milénio.

Bayern Munich vs Real Madrid: Os alunos reencontram o mestre

É o ‘prato principal’ desta Liga dos Campeões. O campeão em título defronta um dos maiores candidatos a erguer a "orelhuda". O encontro aquece quando a comandar os bávaros está Carlo Ancelotti o homem que conquistou a ‘La Décima’ com os merengues e que, após alguns resultados menos conseguidos, acabou por ser despedido na temporada seguinte.

Agora o técnico italiano está do outro lado da barricada com o desafio de fazer aquilo que o espanhol Pep Guardiola não conseguiu: manter a hegemonia nacional e alcançar o sucesso europeu para o gigante de Munique. Carletto quererá, certamente, mostrar aos madrilenos que a sua saída foi um erro.

Este é também o confronto que mais vezes aconteceu em competições da UEFA. Bávaros e espanhóis já se encontraram por 16 vezes, num total de 10 eliminatórias diferentes. Neste momento, está tudo empatado, cinco vitórias para cada lado.

Atlético Madrid vs Leicester City: Um reencontro com 20 anos de atraso

Os campeões ingleses são virgens por estas bandas, mas têm um passado em que somam algumas aparições em competições europeias, três no total. Duas delas terminaram aos pés do Atlético Madrid.

Em 1961/62, na 1.ª ronda da Taça das Taças, o Leicester City tombou após a eliminatória frentes aos colchoneros. Conseguiram um empate a um golo em Inglaterra, mas em Espanha saíram derrotados por dois golos sem resposta.

Mais de 30 anos depois, numa primeira eliminatória a contar para a edição de 1997/98 da Taça UEFA (atual Liga Europa), o Leicester voltou a ser eliminado perante os madrilenos, em casa por 0-2, e fora por 2-1.

Agora, movidos pelo sonho e contra todas as possibilidades, os foxes vão tentar conseguir um feito tão impressionante como o alcançado no ano passado. O primeiro passo histórico está a uma eliminatória de distância, uma vez que nunca uma equipa estreante fez melhor que os quartos-de-final da Liga dos Campeões.

Já o Atlético Madrid quererá vincar o seu papel de gigante europeu, criado ao longo dos últimos anos. Não se esqueça: os espanhóis são vice-campeões europeus em título. Ambas as equipas estão longe da posição desejada nos respetivos campeonatos, pelo que se prevê que, de um lado Shakespeare e do outro Simeone, joguem todas as fichas nesta eliminatória.

Borussia Dortmund vs AS Monaco: o mais energético jogo dos ‘quartos’?

Por entre vinganças e reencontros, eis o único confronto inédito destes quartos-de-final da liga milionária.

De um lado, um Borussia com uma vida complicada nas competições alemãs, longe da equipa que conquistou o bicampeonato no início da década e que em 2012/13 alcançou a final da Liga dos Campeões.

Do outro, a equipa guiada pelo único treinador português em prova, Leonardo Jardim. Os monegascos estão a realizar uma época formidável e podem ainda vencer as quatro competições em que iniciaram a temporada.

Lado a lado, este parece o encontro entre formações gémeas de países vizinhos. Ambas vivem na sombra de um colosso que tem sido hegemónico a nível nacional (Bayern Munique e Paris Saint-Germain), as suas principais figuras são o ponta-de-lança de cada equipa (Aubameyang de um lado, Falcao do outro), as filosofias de jogo assentam em jovens talentos (Dembelé e Pulisic, nos alemães, e Bernardo Silva e Mbappé, no lado da equipa do Principado) e ambas têm dois dos treinadores mais promissores da Europa, Tüchel e Jardim.

Prepare-se, em abril as cortinas da Liga dos Campeões voltam a abrir-se.