Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

“A apresentação deste recurso junto do Tribunal Central Administrativo Sul, que tem desde logo a virtualidade de suspender a sanção aplicada, visa a reposição de uma situação de exercício pleno de direitos e a reparação de uma situação injusta e que tem vindo a penalizar de forma reconhecidamente singular no panorama do futebol nacional o presidente do Sport Lisboa e Benfica”, pode ler-se na nota.

O caso remonta ao final do encontro da segunda jornada da I Liga de futebol, a 21 de agosto de 2016, que o Benfica empatou 1-1 em casa com o Vitória de Setúbal, e teve origem em palavras proferidas por Luís Filipe Vieira e dirigidas a João Ferreira, membro do conselho de arbitragem da FPF.

Em novembro, o Conselho de Disciplina da FPF puniu o líder do Benfica com 60 dias, por “lesão da honra e da reputação” contra “os membros dos órgãos da estrutura desportiva, elementos da equipa de arbitragem, dirigentes, jogadores, demais agentes desportivos ou espetadores”.

Desde então, Luís Filipe Vieira tem recorrido para as várias instâncias, tendo, a 07 de março último, visto o TAD confirmar o castigo, pelo que foi tomada a decisão de recorrer para o Tribunal Central Administrativo Sul.