Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

De acordo com a CMVM, Ana Maria Machado Fernandes, Maria dos Anjos Nunes Capote, João Amaral Tomaz e José Maria Monteiro de Azevedo Rodrigues foram os nomes escolhidos.

Em comunicado, o Ministério das Finanças, liderado por Mário Centeno, acrescenta que os quatro novos administradores não executivos da CGD já iniciaram funções.

A informação prestada pela Caixa Geral de Depósitos à CMVM informa que a eleição decorreu em 17 de março.

A CGD irá também realizar uma emissão de obrigações subordinadas de categoria Additional Tier 1 (dívida perpétua), num montante de 500 milhões de euros, estando por isso a promover um conjunto de apresentações ('roadshow') junto de investidores institucionais, em Lisboa, Londres e Paris.

A emissão surge depois da Comissão Europeia ter decidido em 10 de março deste ano que a estratégia de recapitalização da CGD é realizada em condições de mercado, o que significa que não constitui um novo auxílio de Estado, diz o documento do ministério.

O comunicado do Governo lembra que para a concretização da segunda fase do plano de recapitalização, o Estado Português, na qualidade de acionista único, determinou o aumento do capital social da CGD, no montante de 2,5 mil milhões de euros.

"Com a conclusão do processo, Portugal fica com o Banco público, o maior banco do sistema financeiro português, em condições mais sólidas, contribuindo assim para o fortalecimento do sistema financeiro do País e para a dinamização da economia", lê-se no comunicado.