Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

“Os investimentos em infraestruturas tecnológicas, em ciência e na qualificação de pessoas que foram realizados na última década em Portugal permitem-nos ambicionar estar na frente dos países que vão liderar a mudança a que assistimos na economia”, afirmou João Vasconcelos.

Mas, sublinhou, é “essencial dinamizar e envolver as entidades públicas e privadas, de modo a que Portugal tenha o melhor desempenho possível”.

O secretário de Estado da Indústria falava hoje, na Universidade de Coimbra, durante a sessão da formalização do protocolo de cooperação para a promoção da iniciativa ‘Indústria 4.0 – Economia Digital’, entre esta instituição (representada pelo Instituto de Investigação Interdisciplinar) e o Ministério da Economia, que é o primeiro acordo assinado no âmbito do programa.

O Governo lançou, em final de janeiro, a ‘Iniciativa Portugal i 4.0 – Estratégia Nacional para a Digitalização da Economia’ (‘i 4.0’), com “mais de 60 medidas”, que abrangem, para os setores público e privado, formação e capacitação de recursos humanos e cooperação tecnológica, entre outros aspetos, para “valorizar, promover e investir na digitalização da economia nacional”.

Esta nova revolução, a ‘Indústria 4.0’, “está a acontecer um pouco por todo o mundo” e já há sinais evidentes das novas tecnologias em diversos setores, como o do turismo, exemplificou João Vasconcelos.

Em Portugal, “há um elevado volume de introdução de tecnologias digitais em diversos produtos e fábricas, tornando-as mais inteligentes”, afirmou o secretário de Estado, sustentando que “é fundamental” o país investir em tecnologia e “em recursos [humanos] que a saibam operar”.

No âmbito do protocolo hoje assinado, a Universidade de Coimbra, além de promover a “capacitação dos recursos humanos” e a cooperação tecnológica, desenvolverá ações como, por exemplo, de sensibilização do “tecido industrial e empresarial” e da “comunidade académica, em particular dos estudantes”, para os apoios e estímulos previstos nas medidas do ‘i 4.0’, referiu, durante a sessão, o diretor do Instituto de Investigação Interdisciplinar, Amílcar Falcão.

“Estamos confiantes que uma vez mais a Universidade de Coimbra estará à altura das suas responsabilidades e saberá superar os desafios que lhe vão surgindo”, assegurou Amílcar Falcão, que também é vice-reitor da Universidade.

Na sessão participaram também o reitor da Universidade, João Gabriel Silva, e os presidentes da Câmara Municipal, Manuel Machado, e da Associação Académica de Coimbra, Alexandre Amado.