Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Em conferência de imprensa, o presidente da ANTRAL, Florêncio Almeida, informou que o organismo deu hoje início a um segundo nível de intervenção, ao entregar uma ação no Tribunal Administrativo de Lisboa em prol do combate ao transporte ilegal em Portugal.

Florêncio Almeida recordou que em primeira instância, aquando da providência cautelar entregue a 23 de abril de 2015, “ficou expresso que as plataformas que estavam a atuar de forma ilegal em Portugal seriam condenadas a [pagar] 10 mil euros por dia, caso não cumprissem com as decisões do tribunal em parar a sua atividade”.

De acordo com o mesmo responsável, as plataformas apresentaram recurso da decisão, que “ainda se encontra pendente no Tribunal da Relação de Lisboa”, lembrando que os procedimentos cautelares “têm natureza de processos urgentes, pois destinam-se a evitar danos irreparáveis”.

“Até hoje, os transportes ilegais continuam a atuar e o Governo nunca se coibiu de publicamente os apoiar, recorrendo a argumentos falsos e contribuindo para denegrir e ampliar a campanha de destruição da imagem pública do sector dos táxis e dos industriais que o compõem”, acusou.

Florêncio Almeida reclama também que há outras instituições que serão "solidárias" no pagamento da indemnização de seis milhões e 810 mil euros, nomeadamente o Instituto da Mobilidade e dos Transportes, polícias, Autoridade de Segurança Alimentar e Económica, Autoridade Nacional de Comunicações, Banco de Portugal, Câmaras Municipais, Autoridade da Concorrência, Direção Geral das Atividades Económicas e Autoridade para as Condições do Trabalho, já que, segundo o responsável, “tinham o dever de fazer cumprir as decisões de primeira instância”.

Florêncio Almeida admitiu ainda a hipótese de recorrer até às últimas instancias, nomeadamente, ao Tribunal Europeu dos Direitos do Homem, justificando ter a certeza de que o Estado “iria ser condenado”.

“As leis do país são para cumprir por todos e não por alguns, senão qualquer dia temos as entidades em Portugal a favorecer os ilegais e os que estão legais a serem condenados. Isto não pode ser. A lei é para cumprir e para fazer cumprir por quem é nomeado pelo Governo”, reiterou.

Em 2015, a ANTRAL intentou uma ação contra a Uber, apresentando uma providência cautelar, tendo o Tribunal Central de Lisboa decidido a favor do queixoso, ficando aquele serviço proibido de funcionar em Portugal, como aconteceu em outros países europeus.

Segundo a ANTRAL na ocasião, o tribunal decidiu "proibir, de imediato, a atividade da empresa Uber em Portugal", determinando que a aplicação de transportes, com sede em São Francisco (Estados Unidos da América) encerre imediatamente a sua página na Internet para território português.

A ANTRAL acusava a empresa de origem norte-americana de violar as regras de acesso e exercício da atividade e de concorrência, exigindo que seja impedida de operar em Portugal.

Entretanto, a Uber contestou a decisão e mantém-se a operar em Portugal, com o responsável da empresa para a Europa, Mark MacGann, a avançar à Lusa no final de abril passado que ia apresentar uma queixa formal junto da Comissão Europeia contra Portugal, caso se confirmasse formalmente a proibição de operar decidida por um juiz de Lisboa.