Trata-se de uma quebra de quase cinco por cento na cotação média do mercado informal no espaço de uma semana, de acordo com as rondas habituais realizadas pela Lusa, o que acontece após o pico de 500 kwanzas (2,85 euros) por cada dólar dos primeiros dias de janeiro.

Ainda assim, apesar desta quebra na cotação do mercado de rua, nesta altura persistirem limitações no acesso a divisas nos bancos, mesmo nas contas em moeda estrangeira, conforme a Lusa constatou em Luanda.