Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

O congresso irá consagrar a presidente do PAICV, Janira Hopffer Almada, reeleita há quase três semanas, após ter colocado o seu lugar à disposição dos militantes na sequência das derrotas eleitorais em 2016.

O partido considera o congresso de "maior importância", adiantando que irá dar início a uma "nova caminhada" agora na oposição, depois de ter governado o país por 15 anos.

"O povo escolheu-nos como oposição. Vamos fiscalizar a ação do Governo, fazer uma oposição responsável com alternativas credíveis de governação", apontou o secretário-geral do PAICV, João do Carmo.

O Congresso, que decorrerá no Auditório Nacional, na cidade da Praia, e sob o lema "Por um PAICV mais forte, por um Cabo Verde mais justo," contará com a presença de 413 delegados do país e da diáspora cabo-verdiana.

Um dos momentos altos do evento será a apresentação e discussão da Moção de Estratégia de Orientação Política Nacional por parte da presidente do partido, sufragada nas eleições internas de 29 de janeiro.

Outro "momento importante", prosseguiu João do Carmo, será a eleição dos órgãos nacionais do PAICV para os próximos três anos, como o Conselho Nacional e a Comissão de Jurisdição e Fiscalização.

O secretário-geral prevê um congresso com "muita discussão", mas "tranquilo", apesar de a liderança de Janira Almada ser contestada por um grupo de destacados militantes, que apresentaram um "Manifesto de Militância" a pedir mais diálogo interno.

De entre os convidados internacionais, destaque para a presença do presidente e líder parlamentar do Partido Socialista (PS) português, Carlos César, que fará uma intervenção no sábado.

O PAIGC da Guiné-Bissau será representado pelo seu presidente e antigo primeiro-ministro Domingos Simões Pereira, o MLSTP-PSD, de São Tomé e Príncipe, pelo seu presidente, Aurélio Martins, e o MPLA de Angola por uma delegação chefiada pelo antigo secretário-geral do partido Julião Mateus Paulo.

O Congresso contará ainda com representação do Partido Comunista chinês, do Partido Comunista de Cuba e do PS dos Açores e da Madeira.

A reunião magna do PAICV contará com muitos convidados nacionais, onde se destacam os ex-presidentes, como José Maria Neves, que comandou os destinos do partido e do Governo durante 15 anos.

RYPE // EL

Lusa/Fim