"Eu penso que depende da temática e dos requisitos de diferentes territórios, mas claro que seria positivo se não houvesse tanta censura e que pudesse haver mais abertura em termos de criatividade, mas penso que com o desenvolvimento inter-regional esta situação possa melhorar", disse Lam Fat Iam.

O diretor executivo do Centro de Estudos das Culturas Sino-Ocidentais do Instituto Politécnico de Macau falava à margem do "Seminário sobre a construção da Grande Baía de Guangdong-Hong Kong-Macau", promovido pelo gabinete de Estudo das Políticas do Governo de Macau, Associação Grand Thought Think Thank e Associação Económica de Macau.

Lam Fat Iam apontou que os diferentes ordenamentos jurídicos de Macau, Hong Kong e do interior da China complicam o desenvolvimento da área da edição, mas disse que seminários como o de hoje ajudam a resolver situações de conflito.

"Alguns conflitos podem ser resolvidos futuramente, porque em termos de custos de publicação, em Macau é menor, e também temos mais procura ou oferta em termos internacionais, dos chineses do ultramar e até dos países de língua portuguesa", acrescentou.

FV // VM

Lusa/Fim