O jornal publicado em Hong Kong South China Morning Post cita hoje as declarações do líder chinês no documentário divulgado pela CCTV na segunda-feira, no qual Xi Jinping afirmava que "os desenvolvimentos das armas deveriam apontar e alcançar, e até superar, a tecnologia de outros países".

"A importância do desenvolvimento de armas aumentou à medida que as tecnologias militares foram melhorando nos últimos anos. [...] É impossível ganhar uma batalha se houver uma falha de armamento", acrescentou.

A série documental, intitulada "Exército poderoso", revela que os desejos do Presidente chinês não só apontam uma melhoria de armamento como também dos sistemas científicos e tecnológicos das suas Forças Armadas: supercomputação, navegação por satélite ou mísseis balísticos de defesa mais desenvolvidos.

"A tecnologia de mísseis antibalísticos da China está a alcançar a dos Estados Unidos", disse Xi Jinping, que assegurou que até agora só estes dois países em todo o mundo podem intercetar com êxito mísseis deste tipo.

Peritos consultados pelo jornal disseram que a China está a utilizar o seu talento jovem -- universitários e recém-formados -- para desenvolver estas melhorias e "conseguir uma força de combate no futuro", em programas como o do sistema de navegação Beidou, equivalente ao norte-americano.

No início deste mês a China também anunciou alterações dentro da sua cúpula militar que precedem as mudanças previstas ocorrer na liderança do Partido Comunista durante o XIX Congresso, com início em 18 de outubro, assim como no processo de modernização das Forças Armadas.

FV // ROC

Lusa/fim