• Há cidades onde não se pode morrer
    Há cidades onde não se pode morrer
    Por decisão camarária, há locais onde não se pode morrer. As razões são várias e evoluíram da religião para a falta de espaço nos cemitérios ou para melhorar a qualidade de vida dos munícipes.
  • Revista à portuguesa
    Revista à portuguesa
    O que parece mais interessante no momento político nacional - e até, quem sabe, objecto de estudo para o futuro - é o facto de os protagonistas, sem excepção, protagonizarem uma qualquer personagem, interpretarem um papel, e ficcionarem a realidade c
  • Quando chegares a casa, o jantar está pronto
    Quando chegares a casa, o jantar está pronto
    "Quando chegares a casa, o jantar está pronto", mas isto dito em tom estalo, de cabeça levantada, no meio da multidão que a observa. Como quem atira um 'digo que te sirvo mas não sou serva, sirvo-te mas porque eu quero, porque fizeste o que eu te man
  • Da falta de entendimento à falta de respeito
    Da falta de entendimento à falta de respeito
    Esqueçam os mapas, os GPS e outros instrumentos de orientação que nos guiaram durante 40 anos. Ficaram obsoletos em duas semanas, tornaram-se peças de museu e agora só nos servem para podermos recordar como era antigamente. E como em quase tudo, have
  • Cenários de apocalipse neste inverno a chegar
    Cenários de apocalipse neste inverno a chegar
    Já estamos em Portugal quase todos a ir ao roupeiro buscar as roupas mais aconchegadas para o inverno. O frio chega à Europa ao mesmo tempo que centenas de milhar de refugiados de guerra. São, só neste último mês, 250 mil que batem à porta. A maior p
  • Uma escolha fácil
    Uma escolha fácil
    Se o governo de Pedro Passos Coelho cair no Parlamento, Cavaco Silva vai ter de escolher entre um governo minoritário do PS com apoio dos partidos anti-europeus e um governo de gestão ou, no limite, de iniciativa presidencial. E, se nenhuma das opçõe
  • Cartas na mesa
    Cartas na mesa
    Nós cumprimos o nosso papel (falo por mim, claro, e pelos que foram até às câmaras eleitorais): votámos no dia 4 de Outubro. Depois, coube àqueles senhores entenderem-se sobre a melhor forma de continuar a delapidar o país e a dar-nos cabo da paciênc
  • O que não vai acontecer
    O que não vai acontecer
    Que governo vamos ter daqui a um mês? Quem vai ser o primeiro-ministro? Vamos ter Orçamento do Estado aprovado para entrar em vigor no dia 1 de Janeiro? Há alturas em que a imprevisibilidade reina. Este é um desses tempos. No momento em que escrevo n
  • Ay, Carmena! Quando quem governa é quem não ganhou
    Ay, Carmena! Quando quem governa é quem não ganhou
    Apesar dos azedumes que andam no ar e de algumas cabeças em vendaval que levam ao excesso de mostrar rancores, o que há de estimulante no resultado das eleições de 4 de outubro é a possibilidade de abertura de um tempo político em que quem governa pa
  • E se as eleições fossem hoje?
    E se as eleições fossem hoje?
    António Costa está há duas semanas em modo de sobrevivência, põe em causa um sistema que dura há 40 anos e que permite que o partido mais votado forme governo, mesmo em minoria, e negoceia à Direita (!) e à Esquerda como se fosse tudo igual. Perante
  • Haka da Nova Zelândia ... silêncio por favor
    Haka da Nova Zelândia ... silêncio por favor
    Para os amantes de rugby, ver a Nova Zelândia e o "haka" é o sonho de uma vida. Foi a pensar nisso mesmo que, em novembro de 2014, comprei três bilhetes para o jogo da fase de grupos entre os All Blacks e a Geórgia, disputado no passado dia 2 de outu
  • 35 anos depois, saiba como jogar Pac-Man
    35 anos depois, saiba como jogar Pac-Man
    O videojogo Pac-Man comemora este mês de Outubro os 35 anos da sua chegada ao mundo ocidental, após o lançamento original em Maio de 1980, no Japão. Conheça os segredos do videojogo de arcada de maior sucesso.
  • A traição do tempo
    A traição do tempo
    Se fosse vivo, o meu pai faria amanhã 85 anos. Além da memória emocional de um filho que perdeu o pai cedo demais, mesmo nunca sendo demasiado cedo, persiste uma memória cada vez mais doce (passaram quase 30 anos sobre a sua morte), a que recorro sem
  • Já não se espreita a vizinha?
    Já não se espreita a vizinha?
    Quando Hugh Heffner largou o emprego na prestigiada 'Esquire', e decidiu lançar uma revista que fosse só sua, fê-lo com uma certa diletância aventureira, com um espírito muito 'pós-guerra', de ver o que aconteceria e decidir depois o que fazer com is
  • Qual é a pressa, António Costa?
    Qual é a pressa, António Costa?
    A reunião desta terça-feira entre a coligação PàF e o PS tornou tudo mais claro. António Costa quer ser primeiro-ministro custe o que custar. E quer sê-lo já.
  • A Turquia resvala
    A Turquia resvala
    A Turquia afasta-se do horizonte europeu e resvala cada vez mais para o Médio Oriente dilacerado pela intolerância, pelo autoritarismo e pelo sectarismo. No começo deste século XXI, o movimento era o oposto: a Turquia, com reformas democráticas e ful
  • Um líder primeiro, um país e um partido depois
    Um líder primeiro, um país e um partido depois
    Vamos lá recapitular: a coligação ganhou as legislativas, certo? O PS perdeu as legislativas, certo? A resposta é ‘sim’ a ambas as perguntas, portanto, tendo em conta que Passos e Portas não têm maioria absoluta, estão a negociar um entendimento com
  • A Tunísia merece este Nobel exemplar
    A Tunísia merece este Nobel exemplar
    O Nobel da Paz para o Quarteto para o Diálogo na Tunísia, país pioneiro onde saltou a chispa que deu energia à primavera árabe, é um devido reconhecimento à generosidade, dedicação e abnegação da sociedade civil tunisina, tão sacrificada mas tão rica

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.