Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Desde meados de fevereiro, a publicação norueguesa especializada em media e tecnologia, NRKbeta, filial da NRK, emissora pública norueguesa de televisão e rádio, exige que os visitantes respondam um questionário com três perguntas de resposta múltipla após a leitura do artigo para que possam deixar comentários.

"Geralmente, vemos que muitos leem apenas o título e algumas linhas antes de começarem a comentar para participar do debate", contou esta quinta-feira à AFP o editor e jornalista da NRKbeta, Marius Arnesen.

"Ao fazer três perguntas baseadas no texto, temos a certeza de que a discussão ocorrerá com uma base de conhecimentos em comum", ressaltou.

Dessa forma, o site pretende elevar o nível do debate, além de moderar reações inadequadas.

"Se há algo no artigo que não lhe agrada, é obrigado a fazer uma pausa, refletir um pouco e ler o artigo, caso não o tenha feito ainda. Assim, esperamos evitar o mal-estar provocado pelos comentários desagradáveis", disse Arnesen.

A ferramenta foi testada pela primeira vez com a publicação de um artigo sobre uma proposta de lei sobre a vigilância digital na Noruega. Segundo o Nieman Lab, apesar de este ser um tema controverso, a participação foi respeitosa e produtiva; alguns comentadores chegaram mesmo a partilhar referências de livros e outras pesquisas, partilharam as duas dúvidas e deram respostas construtivas.

Ao Nieman Lab, os jornalistas Marius Arnesen e Ståle Grut explicam ainda que a opção pelo questionário ajuda a manter em debate os temas mencionados na notícia. A NRKbeta é uma das poucas secções da NRK que disponibiliza uma caixa de comentários aos leitores, o que levou à construção de uma comunidade fiel que normalmente têm conversas muito positivas, ressalvam. No entanto, algumas histórias, como a peça sobre vigilância digital, destacadas na pagina inicial da NKR, atraem outros leitores, menos assíduos, que baixam o nível das conversas.

A experiência é ainda muito recente para se obter conclusões definitivas, adiantou Arnesen à AFP. O editor da publicação afirma, porém, que o número de comentários se manteve estável, e a reação dos leitores regulares foi em geral positiva.