Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

A Google quer colocar-se ao lado dos sites - mas também ao lado do leitor - na promoção de debates construtivos. Para isso, a empresa lançou “Perspective”, uma ferramenta informática, baseada em inteligência artificial, que pretende moderar automaticamente os comentários, identificando as mensagens que podem atrapalhar uma discussão.

Por muito engraçado que possa ser ler determinadas mensagens, os espaços de comentário são, por vezes, uma dor de cabeça para os moderadores. Esta ferramenta permite detetar as mensagens “tóxicas” antes da publicação e medir o potencial impacto das mesmas no debate.

No site da ferramenta, há uma demonstração do seu funcionamento com base em três tópicos de discussão: alterações climáticas, Brexit e eleições presidenciais norte-americanas.  A “Pespective” considerou como "tóxicas" mensagens como “eles são desinformados ou ignorantes”, “são idiotas liberais mal-educados” ou “este país é uma porcaria e precisamos de fazer alguma coisa”.

“Os meios de comunicação querem encorajar o debate sobre os conteúdos [que publicam], mas detetar comentários desnecessários leva muito tempo e muito dinheiro”, explica Jared Cohen, presidente da Jigsaw - uma incubadora de produtos tecnológicos da empresa norte-americana e que está responsável pela ferramenta.

Em “Perspective” cabe aos moderadores determinar o nível de tolerância que querem aplicar e, posteriormente, a ferramenta deteta as mensagens que, segundo os critérios da moderação, podem ser consideradas provocadoras ou off-topic, isto é, que se desviem do assunto.

Esses comentários podem então ser colocados em revisão e caberá  ao moderador incluir ou não a mensagem no espaço de comentários, ou assinalar ao próprio leitor responsável o potencial provocador do que está a escrever.

A ferramenta já está a ser testada em sites de informação como o New York Times ou The Guardian, mas está aberta a outros parceiros e a outros programadores. O acesso à API, ou seja, à interface informática da ferramenta, requer uma inscrição prévia.