Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Em declarações à agência Lusa, o maestro Cesário Costa afirmou que esta série de concertos, iniciada hoje, é “um desafio”, já que Camané não vai interpretar o repertório tradicional a que uma orquestra está habituada.

Do alinhamento dos concertos, fazem parte, entre outras canções, “Sopram ventos adversos”, de Manuela de Freitas e José Mário Branco (originalmente inspirada em “Maiden Voyage”, de Herbie Hancock, tal como surgiu em “Ser solidário”), “A correr”, de Manuela de Freitas e Alain Oulman, e ainda os tangos “El dia que me quieres” e “La ultima curda”.

Camané interpreta também fados, acompanhado pelo seu tradicional trio de cordas – guitarra portuguesa, viola e contrabaixo –, designadamente “Saudades trago comigo” e “Quadras”, ou pelo piano de Filipe Raposo, que também fez as orquestrações.

Daniel Schvetz é outros dos responsáveis por alguns dos arranjos para orquestra e piano, designadamente dos tangos que Camané vai interpretar. 

O alinhamento inclui fados tradicionais como os fados Cravo, das Horas, Alfacinha, Isabel, Alexandrino Antigo ou Mouraria, para poemas de Manuela de Freitas, David Mourão-Ferreira, Fernando Pessoa, António Calém ou João Ferreira-Rosa.

“Temos de encontrar uma sonoridade nova que possa juntar aquilo que são as características do fado à sonoridade de uma orquestra, é este equilíbrio que é preciso encontrar”, disse Cesário Costa.

Para o maestro, “o mais importante é manter a simplicidade que esta música [o fado] tem, e a orquestra, com aquilo que possa complementar, tem de ajudar a manter essa simplicidade, naturalmente acrescentando elementos novos, o que é uma experiência enriquecedora para todos os que vão fazer este concerto”.

Camané, realçou o maestro, é um “intérprete de exceção”, “alguém que tem características como intérprete que o tornam um cantor extraordinário”.

Além dos músicos da OML e dos elementos do coro, acompanham o fadista José Manuel Neto, na guitarra portuguesa, Carlos Manuel Proença, na viola, Paulo Paz, no contrabaixo, Pedro Santos, no acordeão, e Filipe Raposo, ao piano.