“As novas medidas exigem que haja alguma clarificação relativamente à sua aplicação e aos setores de atividade aos quais” são dirigidas, salientou, em declarações à Lusa.

Acerca do teletrabalho "é preciso perceber de que forma e em que setores será aplicado”, referiu, apontando que a escola só vai começar “a partir de 10 de janeiro e quem tiver filhos mais novos terá de tomar conta deles”.

“Temos ainda a questão do impacto emocional”, referiu, sublinhando que havia uma sensação “de que teríamos ultrapassado isto e afinal temos aqui um desafio pela frente”.

“Vamos ainda ver o impacto que isto terá no comportamento dos consumidores, no Natal, nas compras, na predisposição das pessoas para viver este período de festa. E no facto de não podermos ter uma passagem de ano em condições normais”, destacou o líder associativo.

Luís Miguel Ribeiro recordou ainda que está em processo de montagem a feira EMAF, na Exponor, de máquinas, equipamentos e robótica, que contava com um cenário, mas agora terá de ter “ajustamentos”.

“Percebo que estamos a acautelar uma situação, tendo em conta o que aconteceu no ano passado”, reconheceu, mas salientou que “é sempre motivo de preocupação acrescida”.

O teletrabalho volta a ser recomendado e será obrigatório entre 02 e 09 de janeiro, semana de contenção de contactos após as festividades do Natal e do fim do ano, anunciou hoje o Governo.

"Sempre que possível, o teletrabalho é recomendável para evitar excesso de contactos que permitam agravar a situação de pandemia", disse o primeiro-ministro, António Costa, no final da reunião do Conselho de Ministros que aprovou medidas para conter a pandemia de covid-19.

O Conselho de Ministros decidiu ainda que o teletrabalho vai ser obrigatório entre 02 e 9 de janeiro, semana de contenção de contactos.

Alem disso, o certificado digital covid-19 volta a ser obrigatório no acesso a restaurantes, estabelecimentos turísticos e alojamento local a partir de 01 de dezembro e "os testes [à covid-19] passam a ser obrigatórios para qualquer entrada em território nacional, seja qual for o ponto de origem e seja qual for a nacionalidade do passageiro", disse o primeiro-ministro.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.