“Mercenários do crime organizado […] atacaram-nos hoje com explosivos. […] É uma declaração de guerra ao Estado”, escreveu na rede social Twitter o ministro do Interior, Patricio Carrillo, citado pela AFP.

As circunstâncias precisas da explosão ainda não foram divulgadas pelas forças da ordem, mas foram destruídas oito casas e dois carros, segundo os serviços de emergência (SNGR).

“Ou somos capazes de nos unir para enfrentar [o crime organizado] ou o preço a pagar será ainda maior para a sociedade”, disse Carrillo.

Vizinho da Colômbia e do Peru, os dois maiores produtores de cocaína do mundo, o Equador é hoje apontado como um centro de expedição de droga para a Europa e os Estados Unidos e um local de disputa territorial entre vários gangues, segundo autoridades e analistas.

De acordo com um relatório recente do Gabinete das Nações Unidas contra as Drogas e o Crime (UNODC), o Equador, com uma população de 18 milhões de habitantes, é o terceiro país do mundo onde em 2020 foram feitas as maiores apreensões de cocaína, a seguir à Colômbia e aos Estados Unidos.

Desde 2021 até agora, mais de 300 toneladas de cocaína foram confiscadas, disse o ministro do Interior.

Os confrontos entre gangues nas prisões já fizeram mais de 350 mortos entre os detidos desde fevereiro de 2021.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.