“Putin estava a contar com uma divisão na NATO. Durante a minha conversa com ele, no início de dezembro, fiquei convencido que ele achava que nós não iríamos conseguir manter a coesão. A NATO nunca, nunca esteve tão unida como está hoje. Putin está a obter exatamente o contrário daquilo que pretendia”, afirmou Joe Biden.

O Presidente norte-americano falava numa conferência de imprensa no quartel-general da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO, na sigla em inglês), depois de ter participado em cimeiras de líderes da NATO e do G7.

Biden frisou que já sabia que as sanções não iriam “dissuadir Putin” – “as sanções nunca dissuadem” –, mas sublinhou que a “manutenção das sanções, aumentará a dor” e a demonstração de união entre os aliados irá influenciar o comportamento do Presidente russo.

“A razão pela qual pedi esta cimeira hoje foi para me assegurar que, passado um mês, iremos continuar a manter o que temos feito: não apenas este mês, não apenas no próximo mês, mas durante todo o ano. É isso que irá pará-lo (a Putin)”, disse.

Reiterando a necessidade de união entre os Estados-membros da NATO num futuro próximo, Biden considerou que “se a Europa ceder num mês, seis semanas ou dois meses”, o Kremlin não se importará com “qualquer nome” que seja adicionado à lista de sanções.

“O elemento mais importante é mantermo-nos unidos e que o mundo continue a aperceber-se de quão violento este tipo é, de todas as vidas inocentes que se estão a perder e a arruinar, e do que se está a passar [na Ucrânia]. Isso é que é importante”, salientou.

“Temos de nos manter completamente, totalmente unidos”, acrescentou.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.