“A rota marítima que vai de Dalian (China) a Nampo (Coreia do Norte) foi aberta”, revelou hoje, responsável do organismo que representa o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) em Seul, Oren Schlein, durante um fórum realizado na cidade sul-coreana de Incheon.

O organismo começou a enviar material médico para o país asiático “e vai entregar mais”, disse Schlein, citado pela agência de notícias sul-coreana Yonhap.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) também anunciou ter começado a enviar para a Coreia do Norte material médico dedicado a combater a covid-19.

Pyongyang mantém um rígido controlo das fronteiras, tendo fechado as suas rotas marítimas e terrestres em janeiro de 2020 para evitar a “entrada” de covid-19 no seu território, uma decisão que manteve o país inacessível ao envio de material pelas agências ligadas à ONU e grupos de ajuda humanitária.

O regime norte-coreano até tem rejeitado toda e qualquer ajuda de material médico, garantindo que não tem casos de covid-19, mas que receia que os envios possam servir de gatilho para a disseminação da doença no país.

O Programa Alimentar Mundial (PAM), outra agência da ONU, insiste que Pyongyang tem de levantar algumas das suas restrições nas fronteiras para receber ajuda, já que é crucial combater a escassez de alimentos que o próprio país reconheceu estar a enfrentar.

“As reservas de alimentos do PAM na Coreia do Norte já se esgotaram este ano”, alertou a conselheira da agência, Marian Yun.

A covid-19 já provocou pelo menos 4.861.478 mortes em todo o mundo, entre mais de 238,59 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência francesa de notícias AFP.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.