Reino Unido regista mais de 300 mortes pelo segundo dia consecutivo

O Reino Unido registou 310 mortes de covid-19 nas últimas 24 horas e 24.701 novas infeções e consequência da pandemia de covid-19, anunciou hoje o Ministério da Saúde britânico.

Na terça-feira tinham sido registadas 367 mortes, o valor mais alto desde fim de maio, e 22.885 novos casos, mas os números no início da semana podem ser inflacionados pelo atraso no processamento dos dados durante o fim de semana.

Nos últimos sete dias morreram no Reino Unido 1.517 pessoas vítimas de covid-19, uma média de 217 por dia, o que representa um aumento de 51,2% relativamente aos sete dias anteriores.

O total acumulado desde o início da pandemia de covid-19 no Reino Unido é agora de 942.275 contágios confirmados e de 45.675 óbitos registados num período de 28 dias após as vítimas terem recebido um teste positivo.

A taxa de infeção nacional é atualmente de 223.8 casos por 100 mil habitantes.

De acordo com as informações do Ministério da Saúde, na segunda-feira estavam hospitalizados no Reino Unido 9,520 pacientes com covid-19, dos quais 902 com necessidade de apoio respiratório por meio de ventilador.

Em declarações hoje à BBC, Mark Walport, um antigo assessor científico do governo, disse que “não é irrealista” que este número mais que duplique nas próximas semanas, para 25.000 hospitalizados no final de novembro, tendo em conta a evolução observada em França ou Espanha.

“Umas das diferenças, claro, é que agora tratamos melhor as pessoas com o novo coronavírus. E, portanto, esperemos, a taxa de letalidade seja menor do que era na primeira vaga. Mas, no fim de contas, a taxa de letalidade, o número de pessoas que morrem, é um resultado do número de pessoas que são infetadas e das suas vulnerabilidades”, acrescentou.

O jornal Daily Telegraph noticiou hoje que o governo britânico está a prever uma segunda vaga da pandemia de covid-19 mais mortífera do que a primeira, com valores máximos diários mais baixos do que na primavera, quando chegou a ultrapassar mil óbitos por dia, mas durante um período mais longo.

Projeções feitas pelo Grupo de Aconselhamento Científico para Emergências [SAGE] sugerem que o país poderá registar 500 mortes por dia ao longo de semanas ou meses, colocando pressão para o governo impor mais restrições sociais ou, eventualmente, um novo confinamento nacional.

“Com as nossas medidas atuais, há poucos indícios de que haja tanto distanciamento social quanto havia quando reprimimos a primeira onda, portanto, sabemos que é significativo o risco de que os casos continuem a crescer”, disse Walport.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou que a região europeia foi responsável pela maior proporção de novas infeções, pela segunda semana consecutiva, com mais de 1,3 milhões de casos ou cerca de 46% do total mundial.

A agência de saúde da ONU também disse que as mortes também aumentaram cerca de 35% na Europa desde a semana anterior e que as hospitalizações e a ocupações de camas em cuidados intensivos devido à covid-19 aumentaram em 21 países da Europa.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, tinha prometido em julho um Natal com alguma “normalidade”, mas o agravamento da situação epidémica levou dois partidos de oposição a pedirem maior coordenação no combate à pandemia.

Devido ao sistema de governação descentralizada do Reino Unido, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte desenvolveram as suas próprias regras para travar o novo coronavírus, enquanto que Johnson desenvolveu um sistema de restrições regionais que se aplicam apenas em Inglaterra.

O resultado é uma manta de retalhos de regulamentos que divergem entre as quatro nações ou mesmo entre cidades próximas.

Juntamente com o partido Aliança da Irlanda do Norte, o líder dos Liberais Democratas, Ed Davey, defendeu uma “cimeira das quatro nações para chegar a um acordo sobre um conjunto de orientações uniformes para o Natal que funcione para as famílias em todo o Reino Unido”

Mas o ministro do Ambiente, George Eustice, respondeu ser “muito cedo” para saber quais serão as regras na altura, embora tenha admitido que “pode não ser possível reunir em grandes grupos como normalmente”.

Itália regista quase 25.000 casos e 205 mortes nas últimas 24 horas

A Itália registou um novo aumento nos casos diários de covid-19, com 24.991 infeções nas últimas 24 horas, e 205 mortes, segundo os dados divulgados hoje pelo Ministério da Saúde.

Com este número de novos contágios, aumenta o total para 589.766 desde o início da epidemia em fevereiro, enquanto o número de óbitos subiu para 37.905.

No último dia foram também realizados 199 mil testes de diagnóstico, um valor recorde.

Os pacientes com sintomas continuam a aumentar e são já cerca de 15.000 os hospitalizados em todo o país, enquanto 1.536 pessoas estão internadas em Unidades de Cuidados Intensivos.

A região de Lombardia, no norte, continua a ser o epicentro da pandemia no país e registou 7.558 novas infeções no último dia, seguida por Piemonte, com 2.827, Campânia, 2.427, e Véneto, 2.143.

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, numa intervenção no Parlamento, justificou hoje os últimos encerramentos de estabelecimentos públicos e garantiu que servem para evitar um novo confinamento geral mais "prejudicial".

"Essas restrições, que outros parceiros europeus estão a adotar, respondem a uma estratégia governamental precisa para controlar a pandemia sem que nos vergue. Reduzir as hipóteses de contágio neste momento é a única forma de permitir, por um lado, a manutenção do sistema nacional de saúde e, por outro, de evitar um segundo confinamento geral que prejudicaria ainda mais a economia do país", alertou.

No último domingo, Conte decretou o encerramento, até 24 de novembro, de cinemas, teatros, ginásios, piscinas ou salas de espetáculos e restringiu os horários de abertura de restaurantes, bares e outros estabelecimentos até às 18:00.

Espanha tem mais quase 20.000 novos casos e 168 mortes

Espanha registou hoje 19.765 novos casos de covid-19 elevando para 1.136.503, o total de infetados no país, segundo números divulgados pelo Ministério da Saúde espanhol.

As autoridades sanitárias também contabilizaram mais 168 mortes atribuídas à covid-19, passando o total de óbitos para 35.466.

A região de Madrid, a mais atingida desde o início da pandemia, tem hoje mais 2.670 casos de contágio e um total de 301.493.

Deram entrada nos hospitais com a doença nas últimas 24 horas 2.292 pessoas, das quais 493 na Catalunha, 340 na Andaluzia, e 324 em Madrid.

Em todo o país há 17.073 pessoas hospitalizadas com a doença, das quais 2.368 pacientes em unidades de cuidados intensivos.

O nível de incidência acumulada em Espanha subiu hoje para 436 casos diagnosticados por 100.000 habitantes nos últimos 14 dias, sendo as regiões com os níveis mais elevados a de Navarra (1.159), Melilla (1.212), Aragão (940), Rioja (707), Castela e Leão (701), Catalunha (657) e País Basco (542).

O Governo da região de Múrcia (sudeste) decidiu hoje confinar (limitar a mobilidade) toda a região e cada um dos seus 45 municípios, juntando-se a outras comunidades autónomas que já tomaram este tipo de medidas: Navarra, Rioja, Aragão, Astúrias e País Basco.

Os presidentes das regiões vizinhas de Madrid, Castela-Mancha e Castela e Leão vão-se reunir hoje ao fim da tarde para discutirem a luta contra a pandemia, estando sobre a mesa um possível encerramento coordenado da circulação de pessoas (confinamento) para fora de cada uma das três comunidades autónomas.

Entretanto, o Governo socialista de Pedro Sánchez está a tentar chegar a acordo sobre o prazo de tempo em que o parlamento deve autorizar o prolongamento do atual estado de emergência.

Em vigor inicialmente desde sábado passado e durante 15 dias, o executivo quer aprovar um prolongamento de seis meses, até 09 de maio de 2021, mas a maioria dos grupos parlamentares pretende que o Governo vá em prazos mais curtos à assembleia para defender a renovação desse período excecional.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos no mundo desde dezembro do ano passado, incluindo 2.395 em Portugal.

Na Europa, o maior número de vítimas mortais regista-se no Reino Unido (45.675 mortos, mais de 942 mil casos), seguindo-se Itália (37.905 mortos, mais de 589 mil casos), França (35.018 mortos, mais de um 1,1 milhões de casos) e Espanha (35.466 mortos, mais de 1.136 mil casos).

(Notícia atualizada às 17h44)

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.