Entre as ações conta-se uma que envolveu a Guardia Civil espanhola e a Guarda Nacional Republicana e que visou o comércio de bivalves impróprios para consumo, em que foram detidas oito pessoas, apreendidos 120 mil euros em dinheiro, 25 automóveis, 12 barcos e investigadas sete empresas.

A operação OPSON 2020 envolveu a Europol e a Interpol, que até junho deste ano apreenderam 15.451 toneladas de produtos ilícitos, no valor estimado de 53,8 milhões de euros, fizeram 2.049 buscas, executaram 663 mandados de detenção e desmantelaram 42 organizações.

O alvo foi o tráfico de produtos contrafeitos ou impróprios para consumo humano, sobretudo bebidas alcoólicas, de que foram apreendidos 1,7 milhões de litros em operações realizadas em 23 países europeus, incluindo Portugal.

A maior parte das infrações detetadas relaciona-se com vinho e vodka.

Numa das operações, em Espanha, as autoridades detiveram 14 pessoas de uma rede que usava corantes para modificar a qualidade das bebidas, apreenderam 47.660 litros de uísque e 9.550 litros de álcool.

Pela primeira vez em operações desta natureza, as polícias visaram falsificadores de mel que utilizavam açúcar de cana e xarope de milho para adulterar mel genuíno e assim obter mais rendimento, em operações em 16 países europeus, incluindo Portugal, e ainda nos Estados Unidos.

A Europol salienta que com esta atividade, o mercado fica "inundado com mel contrafeito que é muito mais barato do que o produto genuíno, o que leva a que os apicultores sejam forçados a baixar os seus preços", e, por sua vez, "leva a que tenham que reduzir a produção e as populações de abelhas que mantêm".

As autoridades fizeram 495 buscas e apreenderam 51 toneladas de mel falsificado.

Entre as mais de 15.000 toneladas de produtos apreendidos ao cabo de mais de ano e meio estão ainda suplementos alimentares, cereais, frutos e vegetais, carne, marisco, laticínios, comida para animais, chá, café, óleo de cozinha e condimentos.

A diretora executiva da Europol, Catherine de Bolle, afirmou que "os riscos para a saúde dos consumidores são proporcionais à falta de qualidade dos materiais usados no processamento de alimentos".

A Europol notou que "produtos de baixa qualidade infiltraram-se na cadeia de distribuição alimentar, uma evolução que está possivelmente relacionada com as repercussões da pandemia da covid-19", acrescentou.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.