“Hoje é possível descrever a diplomacia brasileira, mas não é possível entender. Há uma total ignorância [dentro do Governo] de como funcionam as relações internacionais. Fui diplomata, incluindo o período em que fui ministro, durante mais de 50 anos e neste tempo todo nunca vi coisa igual”, afirmou Amorim.

“Não há registo de uma ação diplomática tão desastrada, tão irracional, que só cria inimigos como a de agora (…) Nem no Regime Militar vi nada parecido, algo tão pouco racional como é a política externa do Governo Bolsonaro”, acrescentou.

Amorim ingressou no Itamaraty (Ministério das Relações Exteriores) na década de 1960 e trabalhou em diversas representações do Brasil no exterior. Foi ministro das Relações Exteriores nos Governos dos ex-Presidentes Itamar Franco e de Luiz Inácio Lula da Silva, e da Defesa na gestão da ex-Presidente Dilma Rousseff.

Analisando a política externa de Bolsonaro, que completou 300 dias à frente do Governo brasileiro no início de novembro, o ex-ministro disse acreditar que a diplomacia do país tem sido prejudicada pelas posições ideológicas do chefe de Estado e do atual ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.

Amorim citou declarações sobre a Argentina e a França para defender o seu ponto de vista.

“O Presidente Bolsonaro disse que não iria à Argentina [para a posse do novo Presidente, Alberto Fernández] e o ministro das Relações Exteriores [Ernesto Araújo] disse que as forças do mal estavam felizes com o resultado da eleição na Argentina”, pontuou.

“Já o Presidente dos Estados Unidos, a quem Bolsonaro jura total fidelidade, cumprimentou o novo Presidente argentino. Bolsonaro optou por um alinhamento automático com os Estados Unidos, mas, neste caso, vê-se que houve um certo pragmatismo deles [norte-americanos], enquanto no Brasil houve uma reação ideológica sem limites”, acrescentou.

Amorim argumentou que “Donald Trump provavelmente não gostou da eleição do Fernández, mas sabe que as relações são entre Estados”, comentando: “Se a Argentina é importante para os Estados Unidos imagina para o Brasil”.

A Argentina, parceira do Brasil no bloco de livre comércio do Mercosul juntamente com o Paraguai e o Uruguai, também é um dos principais destinos das exportações das manufaturas e a terceira parceira comercial do país.

O ex-ministro das Relações Exteriores mencionou também as desavenças ocorridas entre Bolsonaro e o Presidente de França, Emmanuel Macron, que, considerou, não só prejudicaram a imagem do país como revelaram incoerências na atual política externa.

“Não sou defensor do acordo do Mercosul com a União Europeia tal como foi feito, mas o Governo festejou quando foi assinado e pouco tempo depois tratou o Presidente da França e o ministro das Relações Exteriores da França da maneira que tratou”, disse, referindo-se às declarações de Bolsonaro sobre Macron após o líder francês colocar em causa o acordo entre os o Mercosul e a União Europeia (UE), concluído em 28 de junho depois de mais de 20 anos de negociações, por causa do aumento do número de incêndios na floresta amazónica.

“Pareceu que o Brasil não queria o acordo (…) Ecoando as palavras do secretário de Comércio norte-americano [Wilbur Ross], que esteve no Brasil em julho dias antes da visita do ministro dos Negócios Estrangeiros da França [Jean-Yves Le Drian], Bolsonaro declarou que havia armadilhas no acordo do Mercosul com a UE. Isto mostra que não há o mínimo de coerência ou um elemento racional na política externa”, pontuou.

Em meio ao recrudescimento das relações diplomáticas do Brasil com a França, Bolsonaro recusou-se receber Le Drian em Brasília, alegando falta de tempo, embora tenha feito uma transmissão ao vivo na rede social Facebook para falar com seus apoiantes enquanto cortava o cabelo na hora em que a reunião deveria ocorrer.

Para Amorim, estes episódios indicam que o Brasil parece tornar-se um aliado inconveniente até mesmo para os Estados Unidos.

“Eu acho, isto ainda precisa se confirmar, que o Brasil tornou-se um aliado incómodo porque estas atitudes não são boas para o próprio Trump. Ele já deu demonstrações disto ao não apoiar a candidatura do Brasil na OCDE [Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico], ao manter a proibição da importação das carnes [fabricadas no Brasil] e na resposta fria que deu ao encontrar-se com Bolsonaro nos corredores das Organização das Nações Unidas”, afirmou o ex-ministro.

“Por mais ideologicamente à direita que esteja o Governo Trump, ele não perdeu a noção do interesse americano, nós perdemos. Não há explicação para uma relação com a Argentina do tipo que está sendo feita e não há explicação para o Governo brasileiro festejar um acordo do Mercosul com a União Europeia e, ao mesmo tempo, tratar mal dirigentes europeus”, concluiu.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.