No total, mais de 10 milhões de pessoas, mais de um quarto da população da Ucrânia, tiveram que deixar as suas casas, quer seja passando a fronteira para encontrar refúgio em países vizinhos, quer deslocados no próprio país. A ONU estima que existam quase 6,5 milhões de deslocados internos.

Segundo a informação de hoje do ‘site’ do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR)foram contabilizados 3.821.049 refugiados ucranianos, mais 48.450 pessoas do que no sábado.

Desde terça-feira, o número de pessoas que querem fugir da Ucrânia diminuiu de 100.000 pessoas por dia para 50.000 nos últimos dias.

A Europa não registava este fluxo de refugiados desde a Segunda Guerra Mundial.

Cerca de 90% dos refugiados que fugiram da Ucrânia são mulheres e crianças.

Segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), contabilizam-se entre os refugiados mais de 1,5 milhões de crianças.

De acordo com a contagem do ACNUR, na Polónia já entraram, desde o início do conflito, 2.267.103 pessoas oriundas da Ucrânia até sábado, enquanto a Roménia acolheu 586.942 pessoas até à mesma data.

De acordo com a agência da ONU para os refugiados, 381.395 pessoas entraram na Moldova até sábado, a Hungria já recebeu 349.107 ucranianos, a Eslováquia 272.012, para a Rússia seguiram quase 271.254 pessoas e para a Bielorrússia 6.341.

O ACNUR excluiu a contagem de outros países europeus e esclarece que, para os países que fazem fronteira com a Ucrânia e fazem parte do Espaço Schengen (Hungria, Polónia e Eslováquia), os números apresentados são aqueles que cruzaram a fronteira e entraram no país.

A organização estima que “um grande número de pessoas continuou sua jornada para outros países”, no entanto, não contabiliza pessoas de países vizinhos que deixam a Ucrânia para voltar para casa.

Antes da invasão russa, mais de 37 milhões de pessoas viviam na Ucrânia nos territórios controlados por Kiev — que não incluem a Crimeia (sul) anexada em 2014 pela Rússia, nem as áreas do leste do país sob controlo de separatistas pró-russos desde o mesmo ano.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.