De acordo com a agência espanhola, a multidão começou a sua marcha ao meio dia em direção ao parlamento, onde no final haverá um discurso da secretária-geral do Congresso de Sindicatos Britânico (TUC, na sigla em inglês), Frances O’Grady.

De acordo com o TUC, os trabalhadores britânicos perderam cerca de 20 mil euros desde 2008, devido à falta de acompanhamento dos salários face à inflação.

Os manifestantes empunhavam cartazes com mensagens como “Cortem as guerras, não o bem-estar” ou “Acabemos com a pobreza energética, isolemos as casas agora”, enquanto se ouviam assobios, saudações e aplausos quando se acendeu a chama azul que marcava o início da marcha, segundo a agência Efe.

Nas últimas horas também foi conhecido o fracasso das negociações para desconvocar as greves no setor ferroviário e do metro, marcadas para a próxima semana, com o objetivo de pedir uma melhoria completa das condições de trabalho nestes setores dos transportes.

O secretário-geral do sindicato dos Transportes, Marítimo e Ferroviário (RMT, na sigla em inglês), Mick Lynch, reconheceu que “apesar dos esforços nas negociações, não foi possível obter um acordo viável para resolver as disputas”.

Assim, as paralisações em 13 operadores ferroviários continuam previstas para terça-feira, quinta-feira e sábado, com o metro de Londres a ser afetado na terça-feira.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.