“A violação e a violência sexual são usadas em todos os conflitos contemporâneos ao redor do mundo – como a situação atual na Ucrânia”, escreve, num comunicado à imprensa, o ginecologista da República Democrática do Congo, que recebeu o Prémio Nobel da Paz em 2018 pelo seu trabalho a favor das mulheres que são vítimas de violação como arma de guerra.

“Notamos com amargura que muitas vezes falta vontade política, que os meios financeiros são insuficientes”, lamenta o médico.

Mukwege considera também que “a cultura da impunidade de que beneficiam os autores e instigadores destes atos desprezíveis continua a ser mais a norma do que a exceção”.

“Por isso, mais uma vez, exortamos a comunidade de Estados e doadores a mobilizar recursos humanos e financeiros para enfrentar as consequências da violência sexual cometida em tempos de conflito e a redobrar os seus esforços para evitar a repetição desses crimes”, apela.

Segundo Denis Mukwege, “é também fundamental (…) assegurar a promoção da igualdade de género e a participação política ativa das mulheres”.

“Aqueles que toleram ou ordenam a transformação dos corpos de mulheres e de meninas, mas também de homens e de meninos, em campo de batalha, devem ser ostracizados da comunidade internacional, sujeitos à proibição de viagens e de vistos, e os seus bens e recursos financeiros devem ser congelados sem mais demora”, pede Denis Mukwege.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.