Macky Sall disse, numa conferência de imprensa conjunta com o chanceler alemão, Olaf Scholz, que tinha recebido um mandato da União Africana para fazer a viagem.

A Rússia tinha feito um convite para esse efeito, adiantou.

A viagem, inicialmente marcada para 18 de maio, não pôde acontecer “por motivos de agendamento”, e por isso propôs novas datas, adiantou o Presidente senegalês.

“Assim que estiver resolvido, irei naturalmente a Moscovo, e também a Kiev, e também concordámos em reunir todos os chefes de Estado da União Africana que o desejem, naturalmente, com o Presidente [ucraniano, Volodymyr] Zelensky, que tinha manifestado a necessidade de comunicar com os chefes de Estado africanos”, revelou Macky Sall.

“Isto também acontecerá nas próximas semanas”, acrescentou.

A invasão russa da Ucrânia dividiu os países africanos e também atingiu fortemente as suas economias, com o aumento dos preços dos cereais e a escassez de combustível, por exemplo.

O Senegal, com fortes relações com os países ocidentais, surpreendeu em 2 de março ao abster-se numa votação da Assembleia Geral da ONU a favor de uma resolução que exigia “que a Rússia deixasse imediatamente de usar a força contra a Ucrânia”.

O Senegal, por outro lado, votou em 24 de março uma segunda resolução exigindo que a Rússia pare imediatamente a guerra.

Quase metade dos países africanos absteve-se ou não votou em ambas as ocasiões.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.