“A Rússia vai aderir à moratória anunciada pelo presidente Vladimir Putin sobre a implantação de sistemas de alcance intermédio até que tais sistemas feitos nos Estados Unidos apareçam em qualquer lugar do mundo”, afirmou hoje o vice-ministro das Relações Externas, Serguei Riabkov, que estava responsável por negociar com os Estados Unidos temas como o desarmamento nuclear e a estabilidade estratégica (diálogo que foi suspenso perante a invasão da Ucrânia).

Apesar disso, Riabkov realçou que a moratória mantém-se “em vigor”.

“Mas se as coisas se alterarem no que toca à implementação real de tais armas pelos Estados Unidos no teatro de operações europeu ou asiático, a nossa abordagem a esta moratória simplesmente não poderá permanecer a mesma. Esta é a lógica óbvia”, referiu.

O ‘número dois’ da diplomacia russa proferiu estas declarações no mesmo dia em que o tratado que proibia mísseis de curto e médio alcance tinha sido firmado entre os Estados Unidos e a Rússia (na altura, União Soviética), a 08 de dezembro de 1987, cumpre 35 anos.

O tratado deixou de se manter em vigor em 2019, após acusações mútuas de incumprimento do acordo.

A Rússia propôs, nesse mesmo ano, à NATO uma moratória de implementação de sistemas de mísseis de curto e médio alcance na Europa e em dezembro de 2021 voltou a apresentar a sua proposta, junto com a exigência de que se sejam estabelecidas medidas de verificação do cumprimento da ação.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.