“Depende dos democratas”, disse Trump aos jornalistas na Casa Branca antes da deslocação, ao ser interrogado sobre a eventualidade de um novo encerramento parcial da administração federal no final desta semana.

Na sexta-feira termina a legislação que disponibilizou temporariamente fundos ao Governo em finais de janeiro, que pôs termo a uma paralisação de 25 dias de numerosas atividades da administração devido ao desacordo em torno do financiamento do muro que Trump pretende construir na fronteira com o México.

Um comité do Congresso, que inclui representantes republicanos e democratas da Câmara dos Representantes e do Senado, negoceia há duas semanas para tentar um acordo sobre imigração adstrito ao novo orçamento e evitar a repetição da paralisia parcial.

Neste clima político, o republicano Trump deslocou-se hoje à cidade fronteiriça de El Paso (Texas) para promover o seu primeiro comício de 2019, enquanto o ex-congressista democrata Beto O'Rourke preparava uma sessão alternativa na mesma cidade e à mesma hora.

“Vamos a El Paso. Temos uma fila de gente muito grande que quer entrar. Disseram-me que a nossa concorrência também tem uma fila, mas é uma fila pequena, diminuta”, assegurou o Presidente.

Trump também criticou um plano dos democratas para limitar o número de camas que o Serviço de Imigração e Controlo de Alfândegas (ICE, na sigla em inglês) pode manter nos centros de detenção.

“Para além de não nos quererem dar dinheiro para o muro, também não nos querem dar espaço para deter assassinos, criminosos, narcotraficantes e traficantes de pessoas”, sentenciou Trump.

O Governo de Trump pediu em janeiro ao Congresso 4.200 milhões de dólares (3.708 milhões de euros) para apoiar a manutenção de 52.000 camas nos seus centros de detenção para imigrantes, um importante aumento face às 40.000 atuais.

Os democratas consideram que, com esse aumento, o ICE também tenta deter indocumentados sem registo criminal e querem usar as negociações para estabelecer um limite de 35.520 camas para o restante ano fiscal, incluindo um máximo de 16.500 para os detidos dentro dos EUA.

O subdiretor do ICE, Matt Albence, advertiu que a redução de verbas para os centros de detenção seria “extremamente danosa para a segurança pública do país”.

Em conferência de imprensa telefónica, Albence confirmou que o ICE mantém sob detenção “entre 20.000 e 22.000 indocumentados” capturados no interior do país, “a maioria com historial criminal”, e denunciou que um corte nas verbas obrigará o seu departamento a “libertar” alguns dos detidos.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.