Depois da “Marcha de Mulheres”, que a 20 de janeiro, dia seguinte à posse de Trump, juntou meio milhão de pessoas em Washington, um coletivo de grupos e organizações planeou uma série de manifestações, de imigrantes ou cientistas, contra os impostos ou a favor do ambiente.

Das próximas previstas, a “Marcha dos Imigrantes”, marcada para 06 de maio, é uma das que deverá ter mais participantes. Até ao momento, 120.000 pessoas confirmaram a sua presença através da rede social Facebook.

Com a ‘hashtag’ #WeAllBelong (Todos Pertencemos), os apoiantes do protesto asseguram que não se vão deixar “intimidar pelos ataques contra os imigrantes no país e contra os que procuram oportunidades nos Estados Unidos”.

Uma série de manifestações tem ocorrido desde a posse de Trump, mas o polémico decreto limitando a entrada no país a cidadãos de sete países muçulmanos, agora suspenso por um juiz federal, fez aumentar a contestação civil.

Trump tem afirmado que respeita o direito de manifestação dos cidadãos, mas na sexta-feira escreveu na sua conta no Twitter: “Anarquistas profissionais, arruaceiros e manifestantes pagos estão a dar razão aos milhões de pessoas que votaram para TORNAR A AMÉRICA GRANDE OUTRA VEZ!”, o lema da sua campanha eleitoral.

Entre os protestos planeados figura uma marcha promovida pela comunidade científica, em data a anunciar, para denunciar Trump com alguém que “ignora a ciência para prosseguir uma agenda ideológica que põe o mundo em perigo”, segundo um comunicado.

Para o Dia da Terra, a 22 de abril, está planeada uma marcha para defender “as evidências das alterações climáticas”, um fenómeno que Donald Trump disse ser “uma farsa”, e afirmar a ciência como “pilar de liberdade humana e prosperidade”.

O investigador do Centro para o Progresso Americano e especialista em política norte-americana Sam Fulwood assegurou a jornalistas que esta vaga de protestos anti-Trump reúne grupos muito diferentes que defendem causas díspares.

“O insólito desta resistência civil é que nunca antes, com exceção do segundo mandato de Richard Nixon (1973-1974), se realizaram tantos protestos e marchas tão no início do mandato de um novo Presidente”, disse.

A 15 de abril, quase 40.000 pessoas manifestaram intenção de participar numa manifestação em frente da Casa Branca para exigir que Donald Trump torne públicas as suas declarações de rendimentos, como é hábito os presidentes fazerem, mas que Trump recusa.

Outras causas, como a defesa do plano de cobertura médica de 2010 conhecido como “Obamacare” ou os direitos da comunidade LGBT (lésbica, homossexual, bissexual e transexual), vão mobilizar manifestantes nos próximos meses.

O movimento de protesto foi elogiado pelo ex-Presidente Barack Obama, que num comunicado divulgado a 30 de janeiro, dia em que foi assinado o decreto anti-imigração, pelo seu porta-voz, Kevin Lewis, se disse “animado” com o compromisso social dos norte-americanos demonstrado na contestação ao decreto anti-imigração de Trump.

“Cidadãos a exercer o seu direito constitucional de reunião, de organização e de fazer com que as suas vozes sejam ouvidas pelos responsáveis eleitos é exatamente o que esperamos ver quando os valores americanos estão em causa”, afirmou.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.