“É fundamental chegarmos ao outono com outra situação porque nessa altura o consumo de energia vai aumentar, sobretudo nos países mais frios, que são também os mais dependentes do fornecimento de energia por parte da Rússia”, disse o chefe de Governo, falando em conferência de imprensa, no final de um Conselho Europeu, em Bruxelas.

No dia em que os líderes da UE discutiram questões sobre a atual crise energética agora acentuada pela guerra da Ucrânia, António Costa apontou que “os riscos são globais” relativos ao fornecimento do gás à Europa, embora destacando a baixa de dependência de Portugal.

“Portugal é um país que não depende, como a Alemanha depende, do fornecimento de gás russo e temos uma fortíssima incorporação no nosso consumo de energia das energias renováveis”, que pesam 60% na produção de eletricidade, destacou o primeiro-ministro.

Numa altura que se teme o corte do fornecimento do gás russo à UE, dados os constrangimentos existentes pela guerra da Ucrânia, António Costa garantiu que, em Portugal, “daqui até ao inverno, haverá um reforço da capacidade de produção energética, designadamente com Cascata do Tâmega, que entrará em pleno funcionamento no próximo mês, e também de novos parques solares que vão continuar a reforçar a nossa forte componente de energias renováveis no nosso ‘mix’ energético”.

António Costa adiantou que “a orientação na UE” deve ser a de “acelerar, para todos os que podem fazer, a transição para novas formas de produção energia e, por outro lado, reforçar os mecanismos de compras conjunta, os mecanismos de interconexões e os mecanismos de todos colaborarem numa operação logística para assegurar que os países que são mais dependentes do gás e do petróleo russo possam ter fontes alternativas tão cedo quanto possível”.

Além disso, apesar da elevada inflação causada pelos preços energéticos, Portugal tem das taxas “mais baixas”, destacou o chefe de Governo, falando ainda no contributo que o porto de Sines poderá dar para que os países, “que se tentam libertar do gás russo, o possam fazer com maior facilidade”, por o gás natural liquefeito “poder ser uma alternativa” para países como Alemanha, Polónia e República Checa.

Em meados de maio, a Comissão Europeia alertou para o risco de uma “grave rutura de abastecimento” de gás no próximo inverno na UE, devido aos problemas no fornecimento russo, propondo mais armazenamento e admitindo o recurso ao mecanismo de compras conjuntas.

Ao mesmo tempo, a instituição solicitou aos países da UE que atualizem os seus planos de contingência, peçam aos operadores de transporte que acelerem medidas técnicas para aumentar o fluxo e ainda que realizem acordos de solidariedade, já que só 18 dos 27 países têm infraestruturas para armazenar gás natural.

A guerra na Ucrânia, causada pela invasão russa do país no final de fevereiro passado, agravou a situação de crise energética em que a UE já se encontrava.

As tensões geopolíticas devido à guerra da Ucrânia têm afetado o mercado energético europeu, já que a UE importa 90% do gás que consome, sendo a Rússia responsável por cerca de 45% dessas importações, em níveis variáveis entre os Estados-membros.

Em Portugal, o gás russo representou, em 2021, menos de 10% do total importado.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.