“Estamos preparando a empresa para, a partir do ano que vem, estar preparada para um evento de IPO. Quem define quando o IPO acontece é o mercado”, disse Antonoaldo Neves, que falava aos jornalistas, em Lisboa, após a apresentação de resultados do grupo.

De acordo com o responsável da TAP SGPS, nem sempre o mercado está “com apetite”, por isso, é difícil especular sobre o ‘timing’ do IPO.

“Nós estamos preparando a empresa para que, no momento em que ela tenha que fazer o IPO, ela [faça] o IPO, se vai ser no mês X, Y ou W, seria uma irresponsabilidade nossa estar especulando sobre uma questão que nós não controlamos”, reiterou.

Questionado sobre a percentagem do valor da empresa que vai associar à Oferta Pública Inicial, Antonoaldo Neves garantiu que, mais uma vez, depende do mercado, sublinhando que, por norma, é sempre entre 15% e 30%.

O grupo TAP registou, em 2018, um prejuízo de 118 milhões de euros, valor que compara com um lucro de 21,2 milhões de euros registado no ano anterior, foi hoje anunciado.

A receita do grupo passou de 2.978 milhões de euros em 2017 para 3.251 milhões de euros em 2018, traduzindo-se num aumento de 273 milhões de euros, mais 9,1% face ao período homólogo.

“O ano de 2018 foi difícil para a TAP, quer em termos operacionais, quer em termos económicos e financeiros, mas foi um ano que não comprometeu o nosso futuro. Um ano que nos permitiu continuar a criar raízes para que o plano estratégico possa ser implementado como previsto”, indicou, por sua vez, o presidente do Conselho de Administração da TAP, Miguel Frasquilho.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.