“A nossa capacidade de nos reajustarmos sobre custos mais baixos é real”, afirmou António Ramalho, na conferência Banca do Futuro, organizada pelo Jornal de Negócios, em Lisboa, referindo ainda que os bancos deverão “abandonar alguns negócios onde não há rentabilidade suficiente”.

O presidente do Novo Banco considerou que há atualmente “intolerância do mercado face a subida das comissões” e que face a essa impossibilidade de cobrar custos “transparentes” terá de se enveredar pela redução dos custos.

“Esta subsidiação acabará por impor às instituições financeiras o nome do jogo, que é ‘custos'”, afirmou.

Segundo noticiou hoje o El Confidencial, o Novo Banco prepara-se para despedir 66 dos seus trabalhadores em Espanha, o equivalente a 27% dos seus trabalhadores no país vizinho.

O jornal espanhol cita fontes financeiras, avançando que o Novo Banco propôs aos sindicatos realizar um “Expediente de Regulácion de Empleo” (ERE), o equivalente a um despedimento coletivo.

Questionado sobre este processo, António Ramalho limitou-se a confirmar a reestruturação da operação em Espanha, mas sem detalhar o processo.

No fim de agosto, o Expresso noticiou que o Novo Banco solicitou e obteve autorização do Ministério do Trabalho para alargar a 310 trabalhadores o limite previsto para rescisões por mútuo acordo entre 08 de agosto de 2019 e 31 de dezembro de 2021, de modo a que beneficiem de subsídio de desemprego quando aceitam rescindir os contratos.

Em reação, a Comissão Nacional de Trabalhadores do Novo Banco estranhou o pedido uma vez que essas rescisões superam os “objetivos impostos” por Bruxelas, considerando que apenas falta, 84 saídas para o banco reduzir o número de trabalhadores para 4.909 até 2021.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.