Braima Camará acredita que a partir de alianças entre os empresários dos países lusófonos, o espaço da lusofonia poderá conquistar "mais mercados" e potenciar produtos de cada um dos Estados-membros.

O presidente da Câmara do Comércio guineense deu como exemplo a somatória entre "a tecnologia brasileira e o capital angolano" que daria para transformar o caju da Guiné-Bissau.

Braima Camará notou que dessa sinergia poderia sair "um produto final de excelente qualidade em qualquer parte do mundo", o que, reforçou, podia ser feito também com o atum de Cabo Verde ou com o camarão de Moçambique.

"Temos é de ter consciência da riqueza que representamos e dos espaços em que estamos inseridos para, de forma inteligente, aproveitarmos a pertença de todos e de cada um de nós", declarou.

O presidente da Câmara do Comércio da Guiné-Bissau defendeu a ideia na abertura de uma conferência sobre eventos empresariais da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), que decorre em Bissau até quinta-feira.

O encontro é coorganizado pela Confederação Empresarial da CPLP e a Câmara do Comércio, Indústria, Agricultura e Serviços (CCIAS) da Guiné-Bissau.

MB // EL

Lusa/Fim

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.