"A taxa de mortalidade infantil e infantojuvenil sofreu uma redução igual ou superior a 50 por cento entre 2000 e 2014 e verifica-se ainda que a percentagem de crianças com menos de cinco anos de idade afetadas e tratadas por causa do paludismo reduziu de 61% para 1,5% no mesmo período de aproximadamente 15 anos", disse Agostinho Fernandes.

Num estudo do Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgado hoje revela-se que a mortalidade entre crianças reduziu em 2008 de 45 por mil crianças para 38 por 1000 em 2014.

O documento foi apresentado num seminário que reuniu membros do governo, especialistas dos vários ramos da saúde, representantes dos parceiros internacionais de São Tomé e Príncipe, diplomatas e quadros de diferentes setores .

No mesmo estudo revelam-se também "progressos importantes"no que respeita ao registo de crianças no arquipélago, que aumenta de 68% em 2006 para 95% em 2014.

Mortalidade infantil, nutrição, saúde da criança, água e saneamento, educação, proteção infantil, VIH/sida e saúde reprodutiva foram os indicadores sobre os quais se centraram os estudos do INE hoje divulgados.

No relatório apontam-se "avanços consideráveis" conseguidos de forma geral em todas essas áreas, apesar de se colocarem interrogações em áreas como o uso das latrinas ou casas de banho em que apenas 40 por cento da população têm acesso.

"Nós tivemos também um resultado positivo em relação a vários tipos de vacinação, o mesmo acontecendo com a nutrição", explicou a diretora nacional de estatística Elsa Cardoso.

"Entretanto temos indicadores que necessitam ser melhorados, caso concreto das latrinas. Existem apenas cerca de 40% de pessoas que utilizam a casa de bano ou latrina, o quer dizer que temos que trabalhar muito mais no sentido de criar condições junto das populações e sensibiliza-la para o uso das latrinas e casas de banho" acrescentou.

O governo são-tomense considera que no âmbito dos objetivos do milénio, os indicadores apontam para "melhoria em alguns domínios", não obstante os problemas económicos e financeiros e de instabilidade politica que o país viveu nos últimos anos.

"Apesar de inúmeras dificuldades e instabilidades a que o nosso país se tem sujeitado de alguns anos a esta parte, São Tomé e Príncipe está no bom caminho no que respeita à evolução, na globalidade, dos indicadores avaliados no quadro destes inquéritos", considerou Agostinho Fernandes.

Segundo o governante, "o país está no bom caminho" e esses dados levam os são-tomenses a fazer uma "vénia a todos os profissionais, decisores políticos e parceiros internacionais cuja contribuição permitiu essa evolução positiva".

Segundo o governante, o relatório do INE permite ao país efetuar comparações a nível internacional com outros países e constitui um instrumento importante no quadro da monitorização e avaliação de sua performance ao nível dos diferentes indicadores de saúde, nutrição, desenvolvimento das crianças, educação e de proteção.

MYB // APN

Lusa/fim

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.