Segundo o embaixador da China na Praia, Du Xiaocong, este novo campus, que o Governo chinês entregou hoje a Cabo Verde, ao fim de quatro anos de obras, é o "maior projeto" financiado por Pequim em Cabo Verde, com capacidade para mais de 5.000 alunos e professores.

O diplomata anunciou que o campus da universidade estatal cabo-verdiana vai receber também o Instituto Confúcio -- que já está instalado em Cabo Verde desde 2015 e que promove a extensão universitária, através da língua e da cultura da China -- e "albergar" desta forma um curso de língua chinesa.

"Um grande progresso no ensino da língua chinesa em Cabo Verde", afirmou Du Xiaocong.

Recordou que Cabo Verde e a China assinalam em 2021 os 45 anos do estabelecimento de relações diplomáticas entre os dois países (25 de abril de 1976) e elogiou a "política de amizade com a China" do atual Governo, liderado por Ulisses Correia e Silva, garantindo que Pequim "não poupou esforços" em projetos para melhorar a vida do arquipélago.

Segundo informação do Governo cabo-verdiano, "trata-se da maior obra da costa ocidental africana", ocupando uma área de 28.000 metros quadrados na zona do Palmarejo Grande, arredores da capital, com um total de 18 edifícios e 61 salas de aulas, 16 laboratórios informáticos, 34 laboratórios e biblioteca com oito salas de estudo, para receber 4.890 estudantes e 476 docentes.

Uma obra que está "à altura da ambição" cabo-verdiana para o ensino superior no arquipélago, destacou, durante a cerimónia de hoje, o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, sublinhando que representa ainda o "ponto alto" nas relações entre Cabo Verde e a China, pelo volume do investimento e "qualidade da obra", mas também pelo impacto que representará para o futuro da educação no país, em todo os níveis de escolaridade e gerações.

Na sua intervenção, o primeiro-ministro apontou o objetivo de realizar reformas no setor, nomeadamente no ensino superior, ao longo da legislatura que iniciou em maio, e assim promover "um caminho inclusivo, de excelência e de qualidade". Um caminho que prepare os estudantes ao longo do percurso, até chegar ao ensino superior, num sistema que da "base ao topo oriente os jovens para o conhecimento".

"Temos o desafio de reestruturar o ensino superior", reconheceu, a propósito do novo campus da universidade pública cabo-verdiana, assumindo a necessidade de definir modelos de proximidade para o ensino universitário em outras ilhas do arquipélago.

O novo campus da universidade pública cabo-verdiana, cuja primeira pedra da obra foi lançada oficialmente em 20 de junho de 2017 e que o Governo chinês entregou hoje oficialmente a Cabo Verde, conta ainda com uma residência de estudantes com 142 quartos e cinco auditórios com capacidade para 150 lugares.

Integra igualmente um salão multiuso com 654 lugares, edifícios de administração, edifícios pedagógicos, centro de serviços, incluindo refeitórios, e campos desportivos.

Na informação sobre a receção da obra, o Governo cabo-verdiano sublinha que o novo campus "reforça o ensino superior como um dos setores de destaque na cooperação bilateral entre os dois países".

"Que se manifesta também através da formação superior de quadros cabo-verdianos na China, atribuição de vagas e bolsas de estudos para aquele país, entre outros, construções e reabilitações de Infraestruturas educativas", lê-se na mesma informação governamental.

"A República Popular da China tem sido um importante e exemplar parceiro de desenvolvimento de Cabo Verde, tendo em conta o número, o impacto e a qualidade das ações de cooperação desenvolvidas ao longo dos anos", refere ainda o Governo cabo-verdiano.

A obra vai ainda transformar a área envolvente, numa zona de expansão onde se situa ainda a Universidade Jean Piaget, a Escola de Hotelaria e Turismo, o Centro de Energias Renováveis e Manutenção Energética (Cermi), estando previstas outras infraestruturas.

Com 14 anos de existência, a Universidade de Cabo Verde tem três polos de ensino, nomeadamente na Praia e em Assomada, todos na ilha de Santiago, e um na ilha de São Vicente, com mais de 4.000 estudantes, em cursos profissionalizantes, licenciaturas, especializações, mestrados e doutoramentos.

PVJ //RBF

Lusa/Fim

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.